PUBLICIDADE
cremer cremer
Política

Governo subestima demanda de diesel em 200 milhões de litros


Poder 360 - 01 jun 2022 - 09:58

As vendas de diesel no país têm superado as projeções feitas pelo governo federal para 2022. Dados da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível) mostram que a demanda do mercado interno, só no 1º trimestre, foi de 200 milhões de litros a mais do que estimou o relatório mais recente da EPE (Empresa de Pesquisa Energética), publicado em abril. Em relação ao relatório anterior, a diferença foi ainda maior, de cerca de 500 milhões de litros.

A EPE faz parte do Comitê Setorial de Monitoramento do Suprimento Nacional de Combustíveis e Biocombustíveis, criado em março pelo Ministério de Minas e Energia para acompanhar a situação dos combustíveis no país. No mesmo mês, o ministério também instituiu, no comitê, a Mesa de Abastecimento de Óleo Diesel, grupo que se reúne semanalmente para monitorar o abastecimento do país e do qual a EPE também é membro.

Outros dados do setor de transportes reforçam o comportamento ascendente da demanda. Segundo a Fretebras, plataforma on-line de fretes de carga, o volume de fretes no país cresceu 37% no 1º trimestre, na comparação com igual período de 2021. O desempenho foi puxado principalmente pelo agronegócio e produtos industriais.

{viewonly=registered,special}As vendas de diesel no país têm superado as projeções feitas pelo governo federal para 2022. Dados da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível) mostram que a demanda do mercado interno, só no 1º trimestre, foi de 200 milhões de litros a mais do que estimou o relatório mais recente da EPE (Empresa de Pesquisa Energética), publicado em abril. Em relação ao relatório anterior, a diferença foi ainda maior, de cerca de 500 milhões de litros.

Eis os números:

20220601 Grafico01

A EPE faz parte do Comitê Setorial de Monitoramento do Suprimento Nacional de Combustíveis e Biocombustíveis, criado em março pelo Ministério de Minas e Energia para acompanhar a situação dos combustíveis no país. No mesmo mês, o ministério também instituiu, no comitê, a Mesa de Abastecimento de Óleo Diesel, grupo que se reúne semanalmente para monitorar o abastecimento do país e do qual a EPE também é membro.

Outros dados do setor de transportes reforçam o comportamento ascendente da demanda. Segundo a Fretebras, plataforma on-line de fretes de carga, o volume de fretes no país cresceu 37% no 1º trimestre, na comparação com igual período de 2021. O desempenho foi puxado principalmente pelo agronegócio e produtos industriais.

O cenário sinaliza que as previsões do governo para o 2º semestre também podem estar subestimadas. O Brazil’s Short-Term Fuel Market Outlook –relatório bimestral da EPE que mostra um panorama do mercado de combustíveis no país– projeta crescimento nas vendas, de julho a dezembro, só 0,2% maior que o total no mesmo período de 2021. Dez vezes menor que o avanço registrado até abril, de 2,1%.

Eis os volumes projetados para o 2º semestre, na comparação com 2021:

20220601 Grafico02

Historicamente, a demanda brasileira no 2º semestre é maior por causa do pico da safra de grãos. Soma-se a isso o fato de as sanções à Rússia terem tirado parte da oferta do mercado, reduzindo os estoques globais de combustíveis.

Risco de Desabastecimento

Para Sérgio Araújo, presidente da Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis), o risco de desabastecimento do mercado interno é real.

“De fato, existe esse aumento na demanda. E a Petrobras e os demais produtores nacionais, nós já sabemos, não têm capacidade de atendê-la. Em outras palavras, a importação vai ser necessária. E como a Petrobras está com os preços defasados, está praticando os preços muito abaixo da paridade de importação, as atividades de importação ficam inviabilizadas. Isso, sem dúvidas, aumenta o risco de desabastecimento”, afirmou.

Segundo Araújo, o risco é maior para os postos de bandeira branca, sem contratos de exclusividade. Os chamados postos bandeirados, que ostentam as marcas de distribuidoras, possuem contratos que os protegem de cortes no suprimento.

“É natural que elas [as distribuidoras] vão estar priorizando a entrega do produto para os clientes, não só postos, mas para o cliente consumidor –as indústrias, as fazendas, os hospitais– aqueles que têm contrato, os que não têm contrato vão ser atendidos se tiver produto disponível”, disse o presidente da Abicom.

20220601 Grafico03

Na 6ª feira (27.mai.2022), o governo publicou nota afirmando que o Brasil tinha estoques suficientes para garantir o abastecimento durante 38 dias sem importação. A manifestação veio depois de o jornal Valor Econômico publicar carta do atual presidente da Petrobras, José Mauro Coelho, endereçada ao Ministério de Minas e Energia e à ANP. Nela, o executivo afirma que os estoques seriam suficientes para 20 dias.

Araújo defende que, diante da dificuldade para praticar reajustes, a Petrobras informe os volumes de diesel que vai conseguir ofertar até o final do ano.

“Com essa informação sendo passada agora, as distribuidoras vão ter tempo hábil para procurar fornecedores alternativos, mesmo que seja com preço mais caro. Acredito que as distribuidoras não vão optar por não comprar”, declarou.

O óleo diesel já subiu 47% só este ano. Os reajustes realizados para equiparar os preços da Petrobras aos de importação são criticados pelo presidente Jair Bolsonaro (PL). O chefe do Executivo já demitiu um ministro e 3 presidentes da Petrobras pelo mesmo motivo. A substituição de José Mauro foi anunciada em 23 de maio, pouco mais de 1 mês depois de o executivo assumir o cargo.

Cenário é complexo 

Tanto agentes do setor de transportes como dos próprios combustíveis dizem que o cenário do mercado de diesel no Brasil e no mundo nunca foi tão complexo quanto agora. No mercado interno, o principal “divisor de águas” foi o reajuste de quase 25%, feito em março pela Petrobras.

Daniel Colella, fundador e CEO da Combudata, plataforma de gestão de combustíveis, afirma que os reajustes do diesel impactam fortemente a disponibilidade de caixa das transportadoras de cargas.

“Pense na oscilação do preço do diesel como uma escada. Ora você sobe, ora você desce. Até o último reajuste [antes de março], os degraus não eram tão altos. Agora, nesse momento, todo mundo que depende do diesel foi pego de surpresa e o caixa foi muito pressionado”, disse.

Daniel afirma que só o reajuste de março fez com que as transportadoras tivessem um aumento médio de 20% nos seus custos totais. Como a demanda por transporte tem crescido, o cenário acaba provocando um efeito cascata na inflação desse e de outros setores do país: “Boa parte deles [dos transportadores] precisa tomar crédito para repor os seus estoques e dar continuidade às atividades econômicas”.

Impacto no Agro

Embora seja o setor que mais tem crescido na economia brasileira, o agronegócio também tem sentido a pressão do aumento dos custos com o diesel. E não só nas rodovias, mas nas próprias propriedades rurais.

Leandro Nunes, gerente de marketing estratégico da Gilbarco Veeder Root, afirma que tem crescido o interesse de empresários do agro pela instalação de sistemas de monitoramento dos fluxos dos combustíveis.

“Antigamente, o padrão de cliente que contratava esse sistema eram os que tinham movimentação de médio e grande portes, acima de 200 mil ou 300 mil litros por mês. Mas a alta do diesel está pressionando também o pequeno empresário a ter uma gestão mais eficiente. No agro, o combustível está no meio da fazenda, é muito suscetível a fraudes. Com a saída da pandemia e a guerra na Ucrânia, isso complicou ainda mais“, disse Leandro.

Biodiesel = Possível Solução

Para Daniel, da Combudata, uma das soluções para o risco de desabastecimento no país é o aumento do percentual de biodiesel no diesel. Atualmente, a proporção é de 10%, conforme decisão do CNPE (Conselho Nacional de Política Econômica) tomada no final de 2021.

“Era para a gente ter 14% de biodiesel agora. Ele é, sim, mais caro. Mas a gente deixa de ter o problema de disponibilidade. Neste momento, está faltando diesel A [diesel puro]. Precisamos tirar a pressão dele“, disse Daniel.

O Poder360 apurou que o governo estuda aumentar a proporção de biodiesel, mas ainda não se sabe para qual proporção –12%, 13% ou 14%. Por uma resolução de 2018 do CNPE, a proporção atual deveria ser de 14%, mas o conselho mudou o cronograma em 2021 numa tentativa de frear a escalada de preços do diesel.

Procurado pelo Poder360 para falar sobre o aumento da proporção do biodiesel e sobre o estoque mínimo dos distribuidores, o Ministério de Minas e Energia afirmou que a ANP deveria se manifestar sobre o tema. Procurada, a agência respondeu que não iria comentar.

O Poder360 também procurou a EPE para comentar sobre as projeções feitas nos relatórios bimestrais, mas não obteve resposta até a conclusão desta reportagem. O espaço continua aberto para manifestação.

Rafaella Barros e Lais Carregosa – Poder 360