PUBLICIDADE
Especificação

Aprobio concede selo de qualidade para três usinas associadas


BiodieselBR.com - 06 jul 2021 - 11:56

A Associação dos Produtores de Biocombustíveis do Brasil (Aprobio) certificou as três primeiras usinas de biodiesel com o Selo Biodiesel Super A – padrão próprio de qualidade anunciado ano passado pela associação. Nessa primeira etapa foram certificadas as unidades produtivas de Passo Fundo (RS) e Marialva (PR) da BSBios e a 3Tentos de Ijuí (RS).

Essas três plantas somam 1,24 milhão de m³ em capacidade produtiva, cerca de 46% da capacidade das 12 usinas das empresas associadas à Aprobio. No ano passado, 3Tentos e BSBios fabricaram 937,1 mil m³.

O Selo Biodiesel Super A comprova que as usinas de biocombustíveis certificadas atendem a padrões de qualidade mais rígidos do que os descritos pela Resolução 45/2014 da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O texto estabelece a especificação oficial do biodiesel vendido no mercado brasileiro.

Para garantir que os fabricantes certificados atendem às exigências, a Aprobio contratou a Control Union para auditar os resultados. As etapas da certificação estão definidas no manual do programa desenvolvido e aprovado no início de 2021. A auditoria comprova o atendimento à especificação e a adoção de boas práticas durante o processo de expedição do produto e a filtração do biodiesel no momento da expedição. A amostra do produto na usina para análises é realizada por meio de visitas não agendada e repetidas periodicamente.

Mais rígido

Além das especificações que todos os produtores de biodiesel precisam seguir normalmente, as usinas que aderirem à iniciativa precisam reduzir os teores de metais presentes em seu produto:
– Fósforo menor que 4 mg/Kg;
– Sódio e potássio menor que 2,8mg/Kg;
– Cálcio e magnésio < 2,8mg/Kg;

“Nosso objetivo é ampliar a transparência ao mercado com auditoria de produto realizada por empresa certificadora independente e, assim, confirmar a adoção pelas usinas associadas das especificações mais rígidas (por exemplo, menor teor de metais)”, explica Julio Cesar Minelli, diretor superintendente da Aprobio. “Hoje a especificação do biodiesel no Brasil já é uma das mais rígidas do mundo, mas queremos aprimorar ainda mais essa qualidade, pois acreditamos que o país tem todo potencial de seguir aumentando os percentuais de mistura até no mínimo 20% (B20)”, prossegue.

Em maio de 2020, a Aprobio propôs à ANP aprimoramentos à especificação do biodiesel produzido no país.

Fábio Rodrigues – BiodieselBR.com
Com informações da assessoria de imprensa da Aprobio