Informações

Lucro líquido da ADM caiu 44,7% no 3º trimestre


Valor Econômico - 30 out 2020 - 09:51

A americana Archer Daniels Midland (ADM), uma das maiores empresas de agronegócio do mundo, registrou lucro líquido de US$ 225 milhões no terceiro trimestre deste ano, queda de 44,7% em relação ao mesmo período de 2019 (US$ 407 milhões). A receita com as vendas foi de US$ 15,1 bilhões, recuo de 9,6%.

“Nossa agilidade está melhorando nosso desempenho e acelerando o trabalho em áreas que vão desde operações a vendas. Nossa forte geração de caixa também vem permitindo que resgatemos dívidas de custo mais elevado, para que mantenhamos a flexibilidade do balanço patrimonial”, disse Juan Luciano, CEO e chairman da empresa, em nota.

A área de serviços agrícolas e oleaginosas registrou queda de 8,6% nas vendas, para US$ 11,5 bilhões no trimestre. A companhia, contudo, considerou seu desempenho como “extremamente bom” para capitalizar as fortes margens e volumes de exportação da indústria americana e disse que os resultados foram menores na América do Sul, com o ritmo de vendas do agricultor brasileiro desacelerando — como era esperado, após as vendas agressivas no primeiro semestre do ano.

No esmagamento, a ADM afirmou que em um ambiente de oferta mais restrita de soja e sólida demanda global por farelo e óleo teve margens melhores na América do Norte e do Sul.

A divisão de soluções em carboidratos da empresa registrou vendas de US$ 2,06 bilhões no terceiro trimestre, com queda de 19,5% na comparação anual. A redução na demanda por serviços de alimentação afetou os volumes de adoçantes e farinha comercializados no mercado, avaliou, embora a demanda no varejo por farinha tenha se mantido sustentada e a gestão de riscos na produção de milho tenha contribuído positivamente para os resultados.

A receita da área de nutrição ficou praticamente estável em US$ 1,451 bilhões, mesmo com os produtos direcionados à nutrição humana tendo crescido em importância. “As proteínas de origem vegetal ajudaram a impulsionar um desempenho sólido em Ingredientes Especiais”, afirmou a empresa.

Marina Salles – Valor Econômico