PUBLICIDADE
cremer
Algas

Biodiesel de algas em larga escala e custo baixo


BiodieselBR.com - 19 jan 2012 - 09:44 - Última atualização em: 27 fev 2012 - 00:39

A competição para viabilizar o uso de microalgas para a produção biocombustíveis em escala comercial ganhou um novo competidor: a australiana Algae.Tec. E ela está disposta a fazer barulho.

A empresa afirmou que sua tecnologia conseguiu o que muitos tentam há anos sem muito sucesso: produzir um combustível renovável a partir das algas com preços competitivos aos dos derivados de petróleo.

A empresa foi fundada há três anos em Perth, Austrália, por Earl McConchie e Roger Stroud. Eles afirmam ter desenvolvido um sistema fechado de produção e colheita de algas de alta produtividade e baixo custo. Segundo eles, sua tecnologia iguala a produtividade dos atuais sistemas de tanque aberto ocupando apenas um décimo da área. Mais do que isso, o Sistema McConchie-Stroud permitiria o cultivo tanto de algas ricas em óleos para a produção de biodiesel quanto ricas em açúcares para a fabricação de etanol.

O sistema funciona reciclando o CO2 emitido por instalações industriais e usinas termoelétricas. O gás carbônico que seria emitido para a atmosfera é bombeado pelos biorreatores onde alimenta o crescimento das algas.

O que chama atenção no caso da Algae.Tec é a desenvoltura com que a startup está se movimentando. Além de já ter aberto seu capital na bolsa de valores australiana, a companhia anunciou que assinou contratos com clientes de grosso calibre. Incluindo aí a filial da gigante do setor de cimentos e concretos, Holcim, no Sri Lanka.

O mais recente desses contratos é com o grupo empresarial chinês Shandong Kerui. Nos termos do memorando as duas empresas vão investir numa joint venture para a construção da primeira usina de reciclagem de CO2 da China. O investimento faz parte do compromisso assumido pelo governo da potência asiática de reduzir em até 40% as emissões de gás carbônico por unidade do PIB até 2020.

A unidade vai ser instalada na província chinesa de Shandong e pretende capturar cerca 137 mil toneladas de gás carbônico para produzir 33 milhões de litros de biocombustível para transportes e mais 33 mil toneladas de biomassa seca.

Fábio Rodrigues – BiodieselBR.com

Tags: Algas