015

Notas sobre biodiesel


BiodieselBR.com - 19 fev 2007 - 10:17 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:10


Metilato - Multinacionais investem no Brasil

De olho no crescimento do mercado brasileiro de biodiesel, duas multinacionais vão investir na produção de metilato de sódio no Brasil. A Basf anunciou que vai construir uma fábrica este ano em Guaratinguetá (SP), prevista para começar a operar no segundo semestre de 2011. Esta será a segunda unidade de fabricação de metilato da Basf, que já possui outra na Alemanha (maior produtor mundial de biodiesel). Hoje quase todo o metilato de sódio consumido no país vem de fora. O uso do B5 no Brasil cria um mercado potencial de 40 milhões de litros para o produto. Com a nova fábrica, com capacidade para produzir 60 mil toneladas/ ano, a Basf espera ficar com 60% desse mercado. Outra multinacional que vai produzir o metilato é a americana DuPont. Apesar das desconfianças que cercam esse projeto, a empresa afirma que vai construir uma unidade em Pirapozinho (SP) em parceria com o frigorífico (e também produtor de biodiesel) JBS/Bertin.


Usinas - Projetos fracassam em Mato Grosso do Sul

Das dez solicitações de usinas de biodiesel recebidas pelo Mato Grosso do Sul, apenas duas, e de pequeno porte, estão em operação: a Biocar Biodiesel, de Dourados (com 10,8 milhões de litros/ano de capacidade), e a Tecnodiesel, de Sidrolândia (com 4 milhões de litros/ano). A maioria dos projetos parece ter sido abandonado, e duas grandes usinas ainda estão com destino incerto. A Agrenco, depois de passar por inúmeros problemas financeiros, está com a unidade de 114 milhões de litros em Caarapó inacabada. Já a da Brasil Bioenergia em Nova Andradina, que teria capacidade para 100 milhões de litros, ainda não saiu do papel. Apesar de o Mato Grosso do Sul fazer divisa com os Estados do Mato Grosso e Paraná (juntos, os maiores produtores de soja do país), e ainda estar próximo de São Paulo (maior Estado consumidor), a produção local de biodiesel é insignificante.


Licitação - Copel compra usina

A Companhia Paranaense de Energia (Copel) está com processo de licitação em andamento para a compra de equipamentos para uma miniusina de biodiesel. Os fornecedores podem apresentar propostas num valor máximo de R$ 2,47 milhões, para uma capacidade produtiva de 1,8 milhão de litros/ano. Os envelopes serão abertos no dia 18 de fevereiro. A unidade deve funcionar a partir do segundo semestre deste ano em São Jorge d’Oeste, no sudoeste do Paraná. O projeto, desenvolvido com o governo estadual, além de buscar viabilizar a produção grãos e de biodiesel, vai aproveitar os subprodutos da atividade, como torta e farelo (com produção de ração animal), lecitina de soja e glicerina. A usina vai operar em regime de cooperativa, num sistema de produção fechado. A idéia é permitir que famílias da região fabriquem biodiesel e ração para consumo próprio.