PUBLICIDADE
cremer cremer
009

Glicerina - Uso Atual


BiodieselBR.com - 04 mar 2007 - 12:37 - Última atualização em: 23 jan 2012 - 09:47
Uso atual

A glicerina sempre teve usos comerciais. Pode ser utilizada na indústria farmacêutica, na fabricação de alimentos e em diversas outras aplicações. Na verdade, indústrias foram criadas há décadas para fabricá-la. Mas a entrada em cena do biodiesel fez com que as coisas mudassem um pouco de figura. Cerca de 10 a 11% de tudo o que se produz de biodiesel vira glicerina. E já há quem diga que 65% de toda a glicerina do mundo, em breve, virá do processo de fabricação dessa indústria. Ou seja, dois terços de toda a produção mundial.

Com o B3, a indústria de biodiesel está gerando anualmente 155,6 milhões de litros de glicerina, mas nem todo esse volume chega ao mercado. “O mercado atual não possui capacidade de absorver toda essa glicerina”, afirma Pedro Boscolo, gerente de qualidade da Quattor, uma das mais importantes indústrias petroquímicas do país. “As aplicações atuais não vão crescer na mesma velocidade. Dessa forma haverá uma considerável pressão, principalmente dos grupos ambientalistas, para que se consiga usar este excedente, de uma maneira limpa e economicamente viável”, diz. Boa parte da glicerina é descartada ou utilizada para queima na própria usina. Isso acontece porque alguns processos de produção resultam em glicerinas de má qualidade, com baixo teor de glicerol e, portanto, com baixo valor de mercado.

“Em meados de janeiro de 2008 o preço da glicerina com 80% de glicerol apontado pelo mercado era de R$ 700 por tonelada”, afirma Henrique Mazzardo, responsável pela aquisição de matéria-prima e comercialização de subprodutos, entre eles a glicerina, da fábrica de biodiesel do grupo Fiagril, um dos maiores produtores de biodiesel do país. “Em dezembro do mesmo ano o preço havia caído para aproximadamente R$ 200 por tonelada. A queda brusca do preço se deu pelo crescimento da produção mundial de biodiesel e, conseqüentemente, da oferta de glicerina tanto no mercado interno como no externo, tornando a exportação do produto inviável também”, diz. A invariável lei da oferta e procura, por enquanto, diz que o preço da glicerina vai continuar caindo, principalmente se o crescimento esperado para o biodiesel no Brasil se concretizar.

Hoje, a glicerina não chega exatamente a empolgar os produtores. “Nossa empresa não participa do mercado de glicerina, apenas acompanha as cotações”, afirma Heitor Barbosa, da Fertibom. Atualmente a indústria troca a sua glicerina com uma empresa parceira. Recebe álcool etílico e não perde, assim, todo o resíduo de sua produção. Mas também não há ganhos econômicos significativos com a troca.

Há quem prefira beneficiar o produto antes de passá-lo para frente, conseguindo assim preços mais atrativos no mercado. Na Biocapital, por exemplo, a estratégia tem sido a de transformar a glicerina em bidestilada, agregando assim valor comercial. A tonelada do material, que antes valia pouco mais de R$ 100, depois da purificação vai para R$ 2.100. É claro que há custos nesse processo, mas ainda assim a empresa decidiu apostar.

Mesmo nas usinas que destilam o material, no entanto, os preços baixos têm sido um fator na balança. E, no curto prazo, não há razão para imaginar que algo vá mudar radicalmente. “É pouco provável que os preços da glicerina se recuperem num curto espaço de tempo. Existe um excesso de oferta e, de um modo geral, uma retração da demanda no setor industrial. Os principais mercados de exportação também apresentam forte retração”, afirma Alexandre Povel, diretor comercial da Biocapital. “Além disso, a maior parte das alternativas que hoje vêm sendo desenvolvidas para utilização da glicerina em substituição aos produtos petroquímicos se mostra economicamente inviável devido ao cenário de queda no preço do petróleo”, completa.