PUBLICIDADE
cremer
Insumo

Novo CEO promete avanço nos negócios da quantiQ


BiodieselBR.com - 17 jul 2017 - 08:09 - Última atualização em: 18 jul 2017 - 09:37
BergesEnt 1 140717José Berges está de volta ao Brasil e, novamente, vai desempenhar um papel chave no mercado de biodiesel. Quando ocupava a vice-presidência da Evonik Berges fazia questão de vir ao Brasil para conhecer e conversar com os clientes de metilato de sódio da empresa. Mas sua maior exposição ao setor de biodiesel acontecia durante as Conferências BiodieselBR onde, em suas palestras, sempre colocou muito bem o panorama do biodiesel pelo mundo e onde o Brasil se situava.

A carreira com a Evonik se encerrou depois de 27 anos. No final de 2016, aceitou um convite para atuar em uma das maiores distribuidoras de produtos químicos da américa latina, a GTM Holding. A ideia era que ele se mudasse para Houston nos EUA para assumir o posto de COO. Mas os planos sofreram uma guinada radical em abril, quando a GTM comprou a quantiQ – a principal distribuidora de químicos do Brasil – por R$ 550 milhões. Nesse processo Berges acabou se tornando o CEO da GTM, que migrou sua sede negocial para a cidade de São Paulo.

Ele conversou com BiodieselBR.com sobre os próximos passos da GTM e da quantiQ.

BiodieselBR.com – Então você está de volta ao Brasil. Ficou com saudades?
José Berges – É isso mesmo. Não dá para ficar longe desse país (risos).

BiodieselBR.com – Você está aqui por que a GTM comprou uma empresa conhecida do mercado brasileiro de biodiesel, a quantiQ. O setor pode esperar alguma mudança com o novo dono?
José Berges – Eu acho que sim. A quantiQ é muito boa em processos e organização. O centro de distribuição deles em Guarulhos é uma coisa fantástica, o melhor que eu já vi no mundo inteiro. Só que eles tinham um acionista que não entendia direito o negócio de distribuição química até porque esse nunca foi o core business da Braskem. Isso acabava fazendo com que muitas ideias da equipe da quantiQ não fossem para frente por falta de apoio interno. Como a GTM conhece o negócio de distribuição muito bem. Isso quer dizer que teremos como contribuir para melhorar o serviço prestado pela quantiQ tanto para as representadas quanto para os compradores. Também temos condições de prestar um apoio muito melhor no que diz respeito à logística movimentando produtos de fora que hoje não temos aqui no Brasil e levando coisas do mercado brasileiro para outros países. Acho que essa combinação da força da quantiQ em processos e organização com o espírito empreendedor da GTM dá samba.

BergesEnt 2 140717
BiodieselBR.com – Como era a atuação da GTM aqui no Brasil antes da aquisição da QuantiQ?
José Berges – A gente tinha apenas um pequeno escritório no Rio de Janeiro completamente focado no mercado de Oil & Gas que é nossa divisão especializada em químicos utilizados em campos de óleo e gás. Essa é uma atividade relativamente forte da GTM em outros países e era a única que tínhamos aqui no Brasil.

BiodieselBR.com – Agora com a quantiQ, como vocês vão atuar no mercado de biodiesel?
José Berges – Sobretudo, através do fornecimento de metanol. Em outros países, a gente também atua vendendo soda caustica que é usado não só apenas como catalisador, mas, também, nos processos de tratamento de água das usinas de biodiesel. Devemos começar a trabalhar com soda dentro de pouco tempo aqui no Brasil.

BiodieselBR.com – O metanol da quantiQ é uma parceria com a Methanex, certo?
José Berges – Exato. Desde 2014, a gente tem uma parceria forte com a Methanex cuidando das vendas e distribuição de metanol no mercado do Brasil e também no Peru. Vendemos metanol para qualquer aplicação, mas o biodiesel é, de longe, a mais importante.

BiodieselBR.com – Tivemos casos recentes de venda nos postos de combustíveis de metanol no lugar do etanol. Como vocês, enquanto fornecedores de metanol, veem essa questão?
José Berges – Tem muito malandro por aí desviando metanol e isso não deveria acontecer. Recebemos pedidos de compra de duas mil toneladas de metanol para uma finalidade que nos parece bem capenga e não fazemos venda. Mas tem gente por aí fazendo negócio com metanol desse jeito meio ilegal, que vende para qualquer um sem controle e estrutura. Gostaríamos que a fiscalização fosse um pouco mais efetiva.

BiodieselBR.com – E qual é a vantagem de comprar com vocês e da Methanex de forma direta?
José Berges – Essa é uma questão importante: que valor a gente agrega? Tem clientes cuja demanda não conseguem o volume necessário para compensar uma compra direta do produtor. Então, a gente consegue agregar uma vantagem logística porque temos uma cadeia de distribuição muito bem montada a partir de diversos portos – Paranaguá, Santos e Suape – e, também, um estoque em Mauá (SP). Além disso, fazemos coisas que a Methanex não conseguiria para um número grande de clientes como apresentações de segurança e certificações. A gente consegue dedicar esse tempo para ajudar o cliente.

BiodieselBR.com – O Brasil tem uma limitação de capacidade portuária que está sendo ainda mais pressionada agora em função do aumento da importação de combustível. Essa é uma limitação?
José Berges – A gente não tem enfrentado problema nenhum nesse sentido. Como atuamos em vários portos, não temos tido esse tipo de problema. Uma das fortalezas da quantiQ é que o esquema de importação deles é muito bem montado que se combina com a experiência da GTM em logística naval de graneis líquidos. Creio que teremos uma condição muito vantajosa de competitividade.

BiodieselBR.com – Além de você voltar ao Brasil, a sede da GTM veio junto. Qual a razão para tamanha mudança na empresa?
José Berges – Com a compra da quantiQ, o Brasil passou a representar entre 40% e 50% de nosso mercado. Além disso, a GTM é um grupo empresarial latino-americano e, como estamos mirando um IPO num prazo de dois anos, achamos que a única bolsa de valores nessa região que tem a liquidez e a sofisticação para uma operação desse porte é a de São Paulo. O nosso principal acionista é o fundo Advent International que assumiu o controle da GMT em 2014. E esse IPO faz parte do modelo de negócios deles. Por tudo isso, elas acharam por bem trazer a sede para cá.

Miguel Angelo - BiodieselBR.com
Fábio Rodrigues - BiodieselBR.com