RenovaBio

Santander assina contratos com 15 produtoras de biocombustíveis para escriturar CBios


Valor Econômico - 11 mar 2020 - 17:27

O mercado de compra e venda de créditos de descarbonização (CBios) vive um momento de definições. As usinas certificadas para a emissão dos títulos já podem cadastrar suas notas fiscais em uma plataforma que gera pré-CBios. Porém, a venda só será possível depois que os títulos forem registrados pela B3, em um processo que só deve começar a acontecer na segunda metade de abril.

Além disso, após o registro, os créditos precisam ser escriturados por uma instituição financeira e encaminhados para um ambiente de negociação, em mercado de balcão. A própria B3 deve disponibilizar sua plataforma para isso.

De acordo com reportagem publicada hoje (11) no Valor Econômico, o Santander também deve atuar na escrituração e comercialização dos títulos. Hoje, o banco deve assinar contratos com 15 empresas: Copersucar, Tereos, São Martinho, CerradinhoBio, Da Mata Açúcar e Álcool, Usina Vale do Paraná, Japungu, Clealco, Bioenergética Aroeira, Tietê Agroindustrial, Usina Batatais, FS Bioenergia, CMAA, Bevap, Bahia Etanol (BEL) e Jalles Machado.

Segundo estimativa, o RenovaBio poderá movimentar US$ 287 milhões ainda este ano, valor equivalente a mais de R$ 1,3 bilhão. O montante foi calculado com base em uma projeção do Ministério de Minas e Energia (MME) de que cada CBio será vendido, em média, a US$ 10. Além disso, a meta estipulada pelo governo prevê a aquisição de 28,7 milhões de CBios pelas distribuidoras de combustíveis fósseis ainda este ano.

Para 2021, a meta será de 41 milhões de CBios. Caso o preço médio dos títulos se mantenha conforme o previsto, o valor movimentado chegaria a US$ 410 milhões, ou R$ 1,9 bilhão.

“Nós queremos ser ‘o’ banco do RenovaBio”, disse o vice-presidente executivo da área corporativa do Santander, Mario Leão, ao Valor. De acordo com ele, o banco deve realizar encontros com as principais distribuidoras de combustíveis do país na primeira semana de abril.

Segundo a reportagem, porém, ele prefere não indicar qual fatia do mercado de escrituração de CBios o banco quer abocanhar. Ainda assim, o executivo teria ressaltado a proximidade da instituição com as usinas do setor de açúcar e etanol.

Além disso, ele não descartou a possibilidade de que o banco possa atuar como comprador e vendedor de CBios, com o objetivo de dar liquidez ao mercado – embora isso não deva ocorrer este ano. “Com a evolução da liquidez, conhecendo os demais atores, poderemos entrar”, disse.

Camila Souza Ramos – Valor Econômico
Com adaptações BiodieselBR.com