RenovaBio

MME deve rever metas do Renovabio, distribuidoras defendem suspensão do programa


BiodieselBR.com - 02 abr 2020 - 15:33

A pandemia do coronavírus tem impactado a sociedade e todos os setores da economia, o que tem grandes consequências no mercado de biocombustíveis. Dona de quase um quinto do mercado nacional de combustíveis, a Ipiranga viu suas vendas caírem drasticamente. Em meio a esse turbilhão, o início da comercialização dos créditos de descarbonização (CBios), criados pelo Renovabio, já tem data marcada: 27 de abril.

Por mais que exista uma pressão para o início da comercialização dos títulos, o Renovabio agora vive um momento de incerteza. Com a queda na demanda por combustíveis, entra em questão a manutenção das metas estabelecidas pelo programa, pois o setor não sabe se a comercialização de biocombustíveis deve gerar um volume suficiente de CBios e nem se as distribuidoras terão condições financeiras para comprá-los.

Segundo o diretor do departamento de biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia (MME), Miguel Ivan Lacerda, o ministério começou a considerar a possibilidade de revisão de metas, por conta do choque de demanda. “Mas é muito cedo, estamos com um deadline para estruturar isso em até 90 dias. Vamos avaliar qual seria a nova meta e quais são os procedimentos necessários”, explicou.

exclusivo assinantes

O texto completo desta página
está disponível apenas aos assinantes do site

veja como é fácil e rápido assinar