Leilões de biodiesel

Contrariando panorama, usinas mantiveram oferta de biodiesel no L72


BiodieselBR.com - 15 abr 2020 - 18:02

Nem o surto do coronavírus parece ter afetado o ânimo do setor de biodiesel. Mesmo em meio a um turbilhão de notícias que apontam para um mercado de diesel em franca contração no próximo bimestre, as usinas habilitadas para o 72º Leilão de Biodiesel da ANP mantiveram virtualmente estáveis suas ofertas. As distribuidoras terão à disposição um pouco mais que 1.276,2 milhares de m³ de biodiesel puro para atender a demanda durante os meses de maio e junho.

O montante ofertado é praticamente idêntico ao que havia sido apurado no leilão anterior. Nele, as ofertas das usinas ficaram em 1.271,3 mil m³. 

E isso acontece não somente num momento em que os impactos da pandemia sobre o mercado de diesel ainda são imprevisíveis, mas, também, entre dois bimestres – o segundo e o terceiro – nos quais a demanda de diesel costuma cair. Nos últimos cinco anos o consumo apresentou contração média de 1,2% nesse período.

As ofertas das usinas na Etapa 2 representaram 82,5% da capacidade total habilitada para a disputa. Um pouco abaixo dos 84,4% registrados no leilão anterior.

Queda no preço

Com a manutenção do nível de ofertas, as usinas compensaram reduzindo seus preços. Em média, elas estão pedindo R$ 2.737,31 por cada metro cúbico do biocombustível que botaram à venda. 

A média é 6% inferior ao preço pedido pelas usinas na Etapa 2 do L71 quando cada metro cúbico de biodiesel foi vendido a R$ 2.911,74.

O deságio em relação aos PMRs aceito pelas usinas no L72 passou de 32,6%.

Trata-se da quarta alta seguida no deságio e é a maior diferença entre o preço final da Etapa 2 e os PMRs desde que os leilões de biodiesel passaram a ter seu formato atual no L26.

Veja aqui o resultado até o momento do L72 e acompanhe a cobertura ao vivo da etapa 3, a partir das 10h.

Fábio Rodrigues – BiodieselBR.com