Motores

MME publica relatório final de testes de motores


BiodieselBR.com - 01 mar 2019 - 16:04

Apesar do clima estremecido dentro do Grupo de Trabalho responsável pela condução dos testes de biodiesel, o Ministério de Minas e Energia (MME) conseguiu cumprir sua promessa de publicar o documento final dentro do prazo legal. O “Relatório de consolidação dos testes e ensaios para a validação da utilização de Biodiesel B15 em motores e veículos” foi colocado no ar nessa sexta-feira (01) cumprindo a exigência da Lei 13.263/2016.

A publicação de hoje encerra um trabalho que foi iniciado em 2016 e que contou com duas rodadas de testes: a primeira para validar o uso do B10 encerrada no ano passado e, agora, para o B15. Com isso, estamos um passo mais perto para que mistura obrigatória de biodiesel avance dos atuais 10% para 11% no próximo mês de junho conforme determinação do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) de outubro passado.

Não foi simples chegar nesse ponto. O trabalho de consolidação dos resultados expôs tensões dentro do GT que chegaram a seu ponto culminante depois que a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) anunciou que publicaria um relatório conjunto se posicionando contra o B15.

No fim, o documento publicado pelo MME inclui os relatórios técnicos individuais de 14 fabricantes de veículos e motores diesel – estão representados Caoa, Cummins, FCA, Ford, FPT, MAN, Mercedes, MWM, Nissan, Parker, Renault, Scania, Volkswagen e Volvo. Além destes, foram agregadas manifestações da Anfavea e de representações dos fabricantes de biodiesel.

A manifestação das associações de biodiesel resume em uma tabela todos os testes que foram feitos, mostrando os que aprovaram e desaprovaram o uso de B15, bem como quais dos testes realizados apresentou problema.

20190301 RelatorioTestes TABELA

Menos inequívocos

As conclusões do documento atual são menos inequívocas do que as que foram apresentadas em maio do ano passado quando o MME publicou o relatório referente aos testes do B10. Naquela ocasião, o documento informava que “o uso da mistura de 10% de biodiesel no diesel (B10) foi amplamente testado e aprovado por todas as empresas que atuam no mercado brasileiro de veículos e equipamentos do ciclo diesel”.

Dessa vez, no entanto, o texto diz que “a maioria das empresas que testaram B15 e/ou B20 teve resultados positivos e satisfatórios em seus testes, com parecer geral favorável ao aumento do uso de biodiesel”. Também informa que houve empresas que “não recomendam a adoção o B15” expressamente.

O relatório atual também ressalta que a maioria dos fabricantes considera necessário o “aprimoramento da especificação” do biodiesel. “[As empresas] apontam, de forma quase unânime, a necessidade de incluir na norma de qualidade da ANP o parâmetro ‘estabilidade à oxidação’”, informa acrescentando o “aprimoramento da especificação da qualidade do biodiesel e misturas” entre as recomendações de ações futuras.

Além disso, o relatório sinaliza para a necessidade de “novos testes” capazes de identificar mais precisamente as causas dos problemas encontrados e a adição de melhores práticas no manuseio, transporte e armazenamento do biodiesel.

A íntegra do relatório pode ser acessada clicando aqui.

Fábio Rodrigues – BiodieselBR.com