Especificação

Lockdown na Bahia explica piora na qualidade do diesel em abril


BiodieselBR.com - 02 jun 2021 - 17:45

O combate ao coronavírus pode estar por traz da piora notável da qualidade do óleo diesel consumido no Brasil em abril. De acordo com as medições mais recentes do Programa de Monitoramento da Qualidade dos Combustíveis (PMQC), o índice de não conformidade do diesel chegou a 8,1% no mês de abril. Esse é – por ampla margem – o pior resultado apurado desde que a mistura de biodiesel se tornou obrigatória em 2008.

Contudo, se olharmos os números mais de perto, a concentração de problemas na Bahia salta aos olhos. Das 2.300 amostras de óleo diesel analisadas nos laboratórios do PMQC durante o mês de abril, 151 foram coletadas na Bahia. Um peso de 6,6% do total. Já das 187 amostras que foram reprovadas, a Bahia representou 31,6%.

Com 59 reprovações, a não conformidade do diesel baiano ficou em 39,1% no mês de abril. Problemas com o teor de biodiesel foram detectados em 57 das amostras reprovadas. Além destas houve ainda outros 7 vícios de qualidade diversos (uma mesma amostra pode falhar em mais de uma característica).

Na Bahia, o teor de biodiesel representou 89% das falhas identificadas enquanto no país como um todo o índice foi de 71,7%

Lockdown

A explicação para essa concentração fora do comum foram as medidas de restrição da movimentação adotadas pelo governo baiano para conter a segunda onda da pandemia do coronavírus. De acordo com o relatório do PMQC, as restrições adotadas principalmente em Salvador entre o final de março e o começo de abril fizeram com que o giro de produto nos postos caísse bastante fazendo com que muitos postos carregassem estoques de B12 além do prazo regulamentar.

Embora o B13 esteja valendo para todo o território nacional desde março, a Resolução ANP 50/2013 garante um período entre 30 e 60 dias para que os postos se desfaçam de estoques acumulados. Isso

“Considerando o baixo giro de combustíveis no período [de lockdown], no decorrer da primeira semana de abril, grande parte das amostras coletadas de diesel não atendeu ao novo teor vigente, acarretando número alto de não conformidades. Esse número foi reduzindo ao longo do mês, conforme o movimento da cidade foi sendo restabelecido e os estoques dos revendedores renovados”, diz o relatório.

Sem Bahia

Caso os números da Bahia fossem retirados da série, o índice de não conformidade para o país como um todo ficaria em 5,9%. Ainda seria uma piora em relação aos 5,3% de não conformidade registrados em março, mas estaria mais em linha com os números dos últimos meses.

Além dessa redução na não conformidade total, a remoção dos dados da Bahia faria com que as falhas no quesito “teor de biodiesel” caíssem de 71,7% para 63,8% dos vícios de qualidade identificados.

Fábio Rodrigues – BiodieselBR.com