Pesquisa

Prêmio von Martius destaca projeto de biodiesel com resíduos pesqueiros


O Povo - 26 out 2016 - 14:14

O projeto de pesquisa desenvolvido pela Universidade Federal do Ceará (UFC) para a produção de biodiesel a partir de resíduos de pescado foi o segundo colocado do Prêmio von Martius de Sustentabilidade 2016 organizado pela Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha. O evento de premiação aconteceu na última quarta-feira (19), na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Batizado de Biopeixe, o projeto tem como meta o aproveitamento das vísceras e espinhas que hoje são descartados por aquicultores que criam tilápias nas águas de açudes no Ceará. A ideia é processar esse material para a produção de óleo para, dessa forma, agregar mais valor à produção.

"O resíduo ou subproduto gerado na exploração de um recurso pode vir a ser convertido em insumo de valor agregado para outra indústria", conta o professor do Departamento de Engenharia de Teleinformática da UFC, José Tarcísio, que coordena o projeto. "É um selo de qualidade para o projeto Biopeixe. Ficamos muito felizes com o reconhecimento", comemora.

São beneficiados pelo Biopeixe, a Associação dos Pescadores da Barragem Castanhão (ASBC) e a Cooperativa dos Produtores de Curupati Peixe (CPCP). Também podem vir a ser beneficiadas outras associações de pescadores do país, que já estão sendo contatadas para suprir com outras espécies de peixe para a caracterização de óleo de resíduos.

Todo o processo de pesquisa e desenvolvimento teve a participação de alunos de graduação e pós-graduação matriculados em cursos de Engenharia Mecânica, Engenharia Química e de Teleinformática.

Segundo o professor José Tarcísio, o processo de produção vem sendo aprimorado ao longo dos anos. Nas primeiras tentativas, o óleo obtido níveis elevados de acidez o que dificultava seu uso na produção de biodiesel. Para resolver o problema, os pesquisadores desenvolveram um equipamento que
realiza os processos de filtragem, decantação, aquecimento e degomagem do óleo usando exclusivamente processos físicos. "Não é utilizado nenhum processo químico", afirma o professor.

Com adaptação BiodieselBR.com