Emissões

Grandes petroleiras dos EUA defendem imposto sobre carbono


AFP - 21 jun 2017 - 14:23

Grandes petroleiras americanas expressaram nesta terça-feira seu apoio à aplicação de uma taxa sobre as emissões de dióxido de carbono (CO2), nocivas ao clima do planeta.

Em um alerta publicado em meios de comunicação americanos, ExxonMobil, BP, Total e Shell defenderam essa taxa, que já tinha sido apresentada em fevereiro com o apoio de notórios republicanos, como os ex-secretários de Estado James Baker e George Shultz, que integram uma organização de combate às mudanças climáticas.

A taxa seria de US$ 40 por tonelada de CO2 e aumentaria progressivamente. O preço da gasolina no posto teria um aumento de 36 centavos de dólar, o que inicialmente significaria uma arrecadação de 200 bilhões de dólares. Esta quantia seria redistribuída em seguida entre as famílias americanas. Estima-se que uma família de quatro pessoas receberia 2.000 dólares.

Esta medida substituiria as aplicadas durante o governo Barack Obama, entre elas o estabelecimento de tetos para as emissões das centrais movidas a carvão.

A taxa sobre o carbono seria uma forma de estimular a redução das emissões, apesar de o presidente Donald Trump retirou os Estados Unidos do acordo mundial de preservação do clima.

O imposto obteve o apoio de outras petroleiras e de companhias como PepsiCo, General Motors, Schneider Electric, Santander, Procter & Gamble, Unilever e Johnson & Johnson.