Soja

Soja recua para menor nível em sete meses em Chicago


Reuters - 06 mai 2019 - 09:44

Os contratos futuros da soja na Bolsa de Chicago caíam fortemente nesta segunda-feira, para mínimas em sete meses, depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que aumentará as tarifas sobre produtos chineses nesta semana, turvando as perspectivas de um acordo comercial entre as duas maiores economias do mundo.

A ameaça tarifária dos EUA, que provocou amplas vendas nos mercados de ações e commodities, contribuiu para a recente pressão sobre a soja ligada às expectativas de que os agricultores norte-americanos trocariam alguma área de milho pela oleaginosa.

O milho, que disparou na semana passada com o plantio prejudicado por chuvas no Meio-Oeste norte-americano, também caía drasticamente à medida que as tensões comerciais renovadas entre Washington e Pequim "esfriavam" esperanças de um acordo que iria aumentar as exportações de grãos dos EUA para a China.

O trigo dos EUA também cedia.

Trump disse no domingo que as tarifas sobre 200 bilhões de dólares de bens chineses aumentariam para 25% na próxima sexta-feira, revertendo uma decisão tomada em fevereiro de mantê-las em 10% devido ao progresso nas negociações comerciais.

O presidente também disse que teria como alvo mais 325 bilhões de dólares em produtos chineses com 25% de tarifa "em breve", cobrindo essencialmente todos os produtos importados pelos Estados Unidos da China.

A soja mais negociada em Chicago recuava 2,17% às 8h (horário de Brasília), a 8,24 dólares por bushel. O milho caía 2,56%, a 3,6125 dólares por bushel, e o trigo perdia 1,66%, a 4,3075 por bushel.

Gus Trompiz e Emily Chow – Reuters