Soja

Acordo EUA-China pode impactar exportação da soja brasileira, diz ministério


Reuters - 09 jan 2020 - 16:34

O Brasil pode perder alguns ganhos recentes obtidos no mercado global de soja durante a guerra comercial entre Estados Unidos e China caso as duas potências fechem um acordo para encerrar a disputa, disse um representante do Ministério da Agricultura nesta quarta-feira (08).

O secretário substituto de Política Agrícola da pasta, Wilson Vaz Araújo, afirmou a jornalistas que o Brasil poderia reagir mudando suas exportações para outros países no caso de um acerto entre EUA e China.

"Nós ganhamos nesses anos... acabamos tendo espaço maior no mercado. Se vai retroceder um pouco? Pode ser. Mas o Brasil acho que tem condição de reagir a isso e exportar para outros mercados", afirmou Araújo.

Autoridades chinesas devem viajar para os Estados Unidos na próxima semana para concluir a primeira fase de um acordo que o presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou em outubro, dizendo que o acerto levaria a China a gastar de US$ 40 bilhões a 50 bilhões por ano em produtos agrícolas dos EUA.

A China praticamente parou de comprar soja dos EUA durante a longa disputa comercial, o que impulsionou as importações junto ao Brasil.

A soja em grãos foi o principal produto exportado pelo o Brasil. Foram enviadas ao exterior 78 milhões de toneladas em 2019, movimentando mais de US$ 28 bilhões, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

Os chineses compraram quase 80% da safra brasileira de soja em 2019, segundo dados do governo brasileiro.