Em Foco

Emater quer ampliar prestação de serviço


Correio do Povo - RS - 25 abr 2011 - 06:25 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:16

Com um déficit operacional previsto de R$ 8,5 milhões para este ano e dívidas de R$ 171 milhões entre passivos trabalhistas, tributos federais e previdenciários, a Emater joga em diversas frentes para alcançar o reequilíbrio financeiro a médio e longo prazo. O plano de recuperação da empresa de assistência técnica e extensão rural, composto por medidas como o estancamento da sangria de recursos em despesas consideradas supérfluas e a equalização de débitos, com prioridade para a negociação de parcelamento de dívidas que configuram apropriação indébita, inclui a busca pela ampliação de receitas.

Prestadora de serviços de classificação, certificação e crédito, a empresa pretende ampliar sua participação no mercado com uma postura mais agressiva de negociação comercial para captar novos clientes, avisa o presidente da Emater, Lino de David. O primeiro contrato neste sentido será formalizado com a BSBios, de Passo Fundo, durante o mês de maio. Segundo Lino, a negociação de um pacote que incluiu a prestação de assistência técnica para o desenvolvimento da canola permitiu à Emater selar a parceria com a indústria de biodiesel. Atualmente, a Emater tem em torno de 500 clientes do setor privado neste segmento.

Conforme o diretor superintendente da BSBios, Erasmo Carlos Battistella, o contrato piloto prevê a classificação de cerca de 400 mil toneladas de soja adquirida pela empresa no Estado até o final deste ano. O volume representa aproximadamente 40% do total que a BSBios prevê esmagar até dezembro e que será destinado para a produção de óleo e farelo. Até então, esse serviço era prestado à indústria por concorrentes privados nos estados do Rio Grande do Sul e do Paraná. "Economicamente foi um pouco mais vantajoso, mas nosso objetivo maior era ampliar o leque de prestadores de serviços."

A estratégia para retomar a musculatura prevê também a regularização de prestação de contas rejeitadas, relativas a convênios fechados nos últimos seis anos com o governo federal. Assim, a partir do mês de junho, será possível começar a receber do Ministério do Desenvolvimento Agrário os R$ 16 milhões a que tem direito até 30 de maio de 2012 e outros R$ 4 milhões referentes a convênios para a reforma agrária. Outra iniciativa envolve a difícil negociação para elevar a dotação de recursos do governo estadual, cuja previsão de repasse é de R$ 105 milhões do orçamento de R$ 154 milhões. Para 2011, as despesas são estimadas em R$ 163 milhões.