Univaldo Vedana

E o Biodiesel Papel não virou Realidade


Univaldo Vedana - 06 jun 2006 - 08:39 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:22

Na ânsia de mostrar que o programa brasileiro de biodiesel estava de vento em popa, o governo criou no ano passado o leilão eletrônico de venda de biodiesel. Foi criado com isto o biodiesel papel. Os leilões serviram para mostrar à opinião pública que o biodiesel existia, Afinal, no primeiro leilão de novembro de 2005 foram vendidos mais de 70 milhões de litros, e o segundo em março de 2006 mais de 140 milhões de litros.

Na semana passada venceu o prazo de entrega do biodiesel negociado em novembro de 2005. Cerca de 70% do biodiesel vendido... não havia sido entregue. O comprador alegando que o biodiesel não tem qualidade, o vendedor dizendo que o biodiesel está nos tanques e que o comprador não retirou. Resultado, foi prorrogado o prazo de entrega. Continuamos com o biodiesel contrato, papel.

Não vou entrar no mérito, defender e nem julgar qual dos lados está certo. O certo é que tudo o que começa errado acaba em confusão. E quem perde é o programa nacional de biodiesel, o produtor e consumidor brasileiro e por fim o nosso planeta.

O que o biodiesel brasileiro precisa primeiro, é o incentivo à produção de matéria prima; segundo, os governos repensarem sua ganância fiscal; terceiro, corrigir os defeitos de regulamentação e distribuição do biodiesel.

Apesar de todos estes problemas enfrentados pelo biodiesel, estamos vendo que centenas de prefeituras, empresários urbanos e rurais estão buscando informações para construírem em suas regiões pequenas usinas de biodiesel para produzir seu combustível, evitando a evasão de divisas. Já existem prefeituras lançando programas municipais de incentivo à produção de matérias-primas no município. Vejo isto com bons olhos, pois o programa de cima para baixo está cheio de vícios. Acredito mais neste modelo de baixo para cima, pequeno, regional, mas que atenderá a necessidade do município.

Iniciativas locais, com a participação de prefeituras, empresários e a comunidade farão realmente o programa de produção de biodiesel alcançar seus objetivos de emprego, renda, produtividade, evitando a evasão de divisas e contribuindo com a diminuição dos gases do efeito estufa e com a coleta seletiva de lixo. Incluindo a coleta de óleo de cozinha usado eliminando um passivo ambiental que contamina os esgotos das cidades, criando um sem números de problemas para a população e o meio ambiente. 

Univaldo Vedana é especialista em biodiesel e responsável pela primeira fábrica de biodiesel do país abrangendo todo o processo de produção.