Miguel Angelo

A lentidão e o atraso da ANP com o biodiesel


Miguel Angelo Vedana - 15 fev 2009 - 18:16 - Última atualização em: 07 mar 2012 - 18:48

Mesmo com as indústrias operando normalmente, o Brasil ficou dois meses sem ter os dados sobre a produção de biodiesel atualizados. Graças a lentidão da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o volume total de biodiesel produzido em novembro foi divulgado com mais de um mês de atraso.

Quando questionada sobre o atraso, a assessoria de imprensa da ANP se esquiva com um argumento fraco, afirmando que a produção brasileira de biodiesel não pode ser divulgada porque nem todos os produtores informaram o volume produzido.

O estranho nessa situação é que a Agência não costuma esperar estar de posse de todos os dados das empresas para apresentar a produção de biodiesel de um determinado mês. Quando a ANP apresentou a produção de setembro, a usina da Bracol não apresentava produção nenhuma, mas no mês seguinte os dados foram corrigidos e a produção foi 8,67 milhões de litros para aquela usina. A Agência também corrigiu a produção da Comanche nos meses de julho e agosto que eram apresentados como inexistentes. Esses são dois casos de muitos, tanto que é rotina na redação da BiodieselBR verificar se houve alterações na produção de meses anteriores.

Se nunca foi problema para a Agência retificar dados de meses anteriores, porque virou impedimento agora? A produção de novembro saiu na semana passada, quase 60 dias depois do prazo que as usinas têm para informar a produção. É crível que algumas usinas não tenham informado até hoje, mas isso não pode ser um impeditivo para que a agência divulgue os dados das demais usinas. Por que se assim for, e uma usina se recusar a informar sua produção por seis meses, o Brasil ficará todo esse período sem conhecer sua produção? Não é muito mais fácil e transparente informar esses dados, avisando que determinadas unidades não informaram a produção?

A ANP vem aprimorando seus processos de divulgação de dados do setor de biodiesel. Há pouco tempo atrás era impossível saber quais eram as matérias-primas utilizadas na produção de biodiesel, mesmo com ANP de posse desses dados mensalmente. Hoje a agência divulga um relatório mensal com essas informações. Os dados sobre a produção de biodiesel também podem ser feito de uma maneira mais transparente e rápida. Não é aceitável que a produção de biodiesel seja informada com tanto atraso pela ANP.

Miguel Angelo Vedana é diretor executivo da BiodieselBR