PUBLICIDADE
cremer
Biodiesel

Estudos apontam vantagens no plantio de oleaginosas no AL


Alagoas em Tempo Real - 24 set 2008 - 05:32 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:07

Nesta quinta-feira, 25, os gestores do Programa do Biodiesel em Alagoas (Probiodiesel/AL) se reúnem com instituições de pesquisas do Estado para discutir a introdução de novas oleaginosas na produção de biocombustível.

O encontro acontece a partir das 9h, no Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Alagoas (Ceca) e conta com a participação do consultor e pesquisador da Embrapa Algodão, Napoleão Esberard.

Além da Ufal, participam dos debates a Universidade Estadual de Alagoas (Uneal), a Embrapa, as secretarias de Estado do Planejamento e do Orçamento (Seplan), e da Agricultura e do Desenvolvimento Agrário (Seagri), o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Alagoas (Sebrae / AL) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado (Fapeal).

Em seu terceiro ano de execução, o Probiodiesel desenvolve ações nos 33 municípios zoneados pela Embrapa, que plantam a mamona consorciada com o feijão. Atualmente, cerca de mil agricultores cultivam a planta numa área correspondente a dois mil hectares.

Segundo o coordenador do programa pela Seplan, Guillermo Hernandez, os estudos desenvolvidos pelas instituições de pesquisas irão apontar alternativas para o Estado. “O pinhão manso, por exemplo, tem sido apontado como uma das oleaginosas com grandes vantagens para o Estado. Esses estudos abrirão novas frentes aos agricultores, que poderão contar com outras opções de plantio e extração de óleo”, afirma Guilhermo.