Biodiesel

Óleo pré-processado é destaque na produção de biodiesel


BiodieselBR - 03 set 2008 - 06:23 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:07

Um levantamento do Ministério de Minas e Energia (MME) mostra que a soja e o sebo ainda dominam a produção de biodiesel no Brasil, mas o uso do óleo pré-processado tem crescido nos últimos meses. As informações são da Superintendência de Refino, baseadas nas informações do Sistema de Informações de Movimentação de Produtos (SIMP). Os dados mostram a participação, no volume processado, de cada matéria-prima de janeiro a junho de 2008. O óleo de soja reina absoluto em 57,39% do biodiesel produzido no país em junho. Em seguida vem o sebo, 6,80% de participação na produção.

O uso de óleo pré-processado saltou de 10,86% em janeiro para 35,65% em junho. Segundo o MME, a Granol é a principal responsável pelo uso dessa matéria-prima, que seria um mix de óleos, entre eles o de soja e o de algodão. A Biocapital e a Biovierde também estariam utilizando esse óleo.

O levantamento revela também que a utilização de sebo sofreu uma retração em abril e junho. Essa matéria-prima saiu do patamar de 18,27% registrado de janeiro a março e maio para cair para 14,82% em abril e 6,80% em junho. Já o óleo de algodão, cujo percentual na produção de biodiesel ficou abaixo de 1% nos meses de janeiro, fevereiro, abril, maio e junho, registrou 5,34% de participação em março.

O óleo de palma teve participação inferior a 1% nos seis primeiros meses do ano. Já a mamona registrou 0,18% de presença na produção em janeiro, mas desapareceu do mercado nos cinco meses seguintes. A gordura de porco e o óleo de fritura tiveram uma participação pouco significativa na produção de biodiesel nesse período.

Segundo o MME os dados podem sofrer alterações uma vez que a instituição continua a colher informações sobre a produção do biocombustível junto aos produtores.

Rosiane Correia de Freitas - redação BiodieselBR