PUBLICIDADE
cremer cremer
Biodiesel

Energia limpa gera bons negócios no Paraná


Jornal Tribuna do Norte - 07 jul 2008 - 05:31 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:06

Depois de Foz do Iguaçu (região Oeste do Estado) sediar em maio o Fórum Global de Energias Renováveis – promovido pela Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (Onudi) que apresentou a mais de 50 países as experiências paranaenses de sucesso no setor -, o Paraná recebe mais um evento voltado à energia limpa.

As Secretarias do Meio Ambiente e Recursos Hídricos e da Indústria, do Comércio e Assuntos do Mercosul recebem, nos dias 9 e 10 de julho, em Curitiba, a Missão Internacional de Energias Renováveis Paraná–Rhône-Alpes–Pensilvânia.

O encontro tem como objetivo discutir formas de cooperação e formação de alianças estratégicas no âmbito das energias renováveis entre o Paraná, a região francesa de Rhône-Alpes e o estado norte-americano da Pensilvânia.

Segundo o secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Rasca Rodrigues, a idéia é discutir sistemas de produção e geração de energias renováveis. “Uma das iniciativas que apresentaremos à missão é a Cooperativa de Produtores Familiares de Crédito de Carbono do país (Coopercarbono), inaugurada em Loanda (no Noroeste do Estado) no mês de maio”, antecipou. “Esta é a primeira Cooperativa do país a comercializar o gás carbônico captado pela manutenção das florestas em Áreas de Preservação Permanente (APP)”, completou.

O Governo do Paraná também vai demonstrar que a produção de biocombustíveis não acarreta em perda de áreas territoriais ou de produção de alimentos. “Ao lado da iniciativa privada, cooperativas, sindicatos, centros de pesquisa e universidades, o Paraná se tornou exemplo da prova que a substituição de áreas até então degradadas ou de pastagens podem ser utilizadas para a produção de culturas voltadas aos biocombustíveis”, destacou Rasca.

Os representantes das comitivas de Rhône Alpes e da Pensilvânia adiantaram que seus países procuram cooperação simultânea nos seguintes temas ligados à biomassa: madeira como fonte de energia, biogás e biocombustíveis – em especial o biodiesel a partir de óleos vegetais -, energia hídrica e energia solar fotovoltaica.

Para o secretário da Indústria, do Comércio e Assuntos do Mercosul, Virgílio Moreira Filho, o potencial do Paraná para a geração de biocombustíveis é enorme e precisa ser “estimulado” no empresariado estadual. “O Paraná já reúne todas as condições técnicas, econômicas e ambientais para sediar empreendimentos para a produção de biocombustíveis”, afirmou.

Hoje, o Estado é o maior produtor de grãos do país e apresenta alternativas concretas para atender aos interesses internacionais para a compra de matéria-prima para a produção de biodiesel. Até 2010, o Brasil deverá produzir cerca de 2 bilhões de litros de biodiesel. De acordo com Moreira Filho, o Paraná vai entrar no mercado nacional, que privilegia principalmente a agricultura familiar.

INICIATIVAS - Formada por 187 agricultores que possuem propriedades de até 30 hectares, a Coopercabono abriu suas portas com 40 toneladas de carbono já comercializadas. A empresa ACMA - especializada na construção de prédios residenciais e em obras de saneamento – adquiriu cada tonelada por U$ 10,00, resultando em U$ 650,00.

Outra iniciativa apresentada será a parceria entre a Itaipu, Copel e uma granja de suínos localizada em São Miguel do Iguaçu (região oeste), onde os dejetos de 3 mil suínos são acumulados em um biodigestor, transformam-se em biogás e geram a energia que abastece toda a infra-estrutura, inclusive um conjunto de residências.

Já a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) vem dando exemplo para o setor no país com as ações de preservação do meio ambiente e recuperação de passivos ambientais que, além de tudo, estão proporcionando redução nos gastos da empresa pública. O presidente da Sanepar, Stênio Jacob, afirmou que a inauguração da Unidade Piloto de Energia Renovável na estação de esgoto de Foz do Iguaçu, está estimulando a busca de outras fontes renováveis para geração de energia elétrica.

A Estação de Tratamento de Esgoto Ouro Verde, localizado na Vila Shalon, em Foz do Iguaçu, vai gerar biogás a partir do tratamento do esgoto doméstico de 17.500 pessoas moradoras de bairros da região. A energia gerada vai abastecer o próprio sistema, economizando na conta de eletricidade, além de garantir um tratamento adequado aos dejetos. O excedente de energia será repassado à Copel.

Para a diretora de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Maria Arlete Rosa, a integração entre o setor de saneamento e o setor elétrico serão fundamentais para a produção de energia limpa. “Hoje, o sistema de saneamento é um grande produtor de energia elétrica renovável e o Paraná já faz isso, provando que o mundo todo também pode abastecer-se de uma energia limpa e não, necessariamente, baseada no combustível fóssil. Podemos utilizar a natureza em beneficio do desenvolvimento humano, transformando passivos ambientais em energia elétrica sem emitir o gás metano na atmosfera”, reforçou.