PUBLICIDADE
CREMER2024 CREMER2024
Negócio

Opep+ prorroga cortes na produção de petróleo até 2025


Reuters - 03 jun 2024 - 09:24

A Opep+ concordou neste domingo em estender a maior parte de seus cortes na produção de petróleo até 2025, superando as expectativas do mercado, enquanto o grupo busca fortalecer o mercado em meio ao crescimento morno da demanda, às altas taxas de juros e ao aumento da produção rival dos Estados Unidos.

O petróleo está sendo negociados perto dos 80 dólares por barril, abaixo do que muitos membros da Opep+ necessitam para equilibrar o seu orçamento.

As preocupações com o lento crescimento da demanda na China, principal importador de petróleo, pesaram sobre os preços, juntamente com o aumento dos estoques da commodity nas economias desenvolvidas.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e os aliados liderados pela Rússia, conhecidos conjuntamente como Opep+, fizeram uma série de cortes profundos na produção desde o final de 2022.

Os membros do cartel estão atualmente reduzindo a produção num total de 5,86 milhões de barris por dia (bpd), ou cerca de 5,7% da demanda global.

Isso inclui cortes de 3,66 milhões de bpd, que deveriam expirar no final de 2024, e cortes voluntários de 2,2 milhões de bpd por parte de oito membros, que expirariam no final de junho de 2024.

Neste domingo, a Opep+ concordou em prolongar os cortes de 3,66 milhões de bpd por um ano até ao final de 2025 e prolongar os cortes de 2,2 milhões de bpd por três meses até ao final de setembro de 2024.

A Opep passará um ano eliminando gradualmente os cortes de 2,2 milhões de bpd, a partir de outubro de 2024 até o final de setembro de 2025, disseram três fontes da Opep+.

“Agora o mercado tem clareza sobre quase 1,5 ano”, disse um delegado da Opep+, que não quis ser identificado.

Amrita Sen, cofundadora do think tank Energy Aspects, disse que o acordo “deve acalmar os temores do mercado de que a Opep+ volte a adicionar barris num momento em que as preocupações com a demanda ainda são elevadas”.

Acordo rápido

Os analistas esperavam que a Opep prolongasse os cortes voluntários por alguns meses devido à queda dos preços do petróleo e à fraca procura.

Mas muitos analistas também previram que o grupo teria dificuldades em definir metas para 2025, uma vez que ainda não chegou a um acordo sobre metas de capacidade individuais para cada membro, uma questão que anteriormente tinha criado tensões.

Os Emirados Árabes Unidos, por exemplo, têm pressionado por uma quota de produção mais elevada, argumentando que o valor da sua capacidade tem sido subestimado há muito tempo.

Mas, num desenvolvimento surpreendente no domingo, a Opep+ adiou as discussões sobre capacidades até novembro de 2025 a partir deste ano.

Em vez disso, o grupo concordou com uma nova meta de produção para os Emirados Árabes Unidos, que poderá aumentar gradualmente a produção em 300 mil bpd, acima do nível atual de 2,9 milhões.

A Opep+ concordou que utilizará números de capacidade avaliados de forma independente como orientação para a produção de 2026 em vez de 2025 – adiando por um ano uma discussão potencialmente difícil.

As reuniões de domingo duraram menos de quatro horas – um tempo excepcionalmente pequeno para um negócio tão complexo.

Fontes da Opep+ disseram que o líder de fato e maior produtor da Opep, a Arábia Saudita, passou dias preparando o acordo nos bastidores.

O influente ministro da Energia saudita, Price Abulaziz bin Salman, convidou alguns ministros importantes – principalmente aqueles que contribuíram para os cortes voluntários – para virem à capital Riad neste domingo, apesar das reuniões serem em grande parte online.

Os países que fizeram cortes voluntários na produção são Argélia, Iraque, Cazaquistão, Kuwait, Omã, Rússia, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos.

A Opep+ realizará sua próxima reunião em 1º de dezembro de 2024.