PUBLICIDADE
Bioquerosene

Vibra Energia fecha parceria com BBF para vender SAF a partir de 2025


EPBR - 13 abr 2022 - 09:00

A Vibra Energia fechou um contrato de comercialização exclusiva do combustível de aviação sustentável (SAF, na sigla em inglês) que a Brasil BioFuels (BBF) pretende produzir no Brasil a partir de 2025.

O acordo é válido por cinco anos e se soma ao contrato já assinado entre as partes para compra e venda do diesel verde HVO (sigla, em inglês, para hidrotratamento de óleo vegetal).

A matéria-prima para os biocombustíveis será o óleo de palma produzido pela BBF no interior de Roraima.

Já o refino será feito numa planta a ser construída na Zona Franca de Manaus (AM). Esta promete ser a primeira fábrica de produção dos dois biocombustíveis em escala industrial no Brasil.

A expectativa é que sejam investidos cerca de R$ 2 bilhões na produção, inicial, de 500 milhões de litros de biocombustíveis por ano. A unidade está prevista para o primeiro trimestre de 2025 e será flexível – ou seja, poderá produzir entre HVO e SAF.

“A Vibra tomou a decisão de ampliar o portfólio de ofertas de energia que interessam aos clientes que querem fazer a transição energética”, afirmou o CEO da companhia, Wilson Ferreira, à imprensa.

Nos últimos meses, a Vibra – antiga BR Distribuidora – anunciou parcerias nas áreas de biogás, comercialização de etanol e eletricidade renovável e manifestou interesse em entrar no negócio de hidrogênio verde.

A empresa espera iniciar a comercialização do HVO e SAF até 2026. O volume inicial produzido é capaz de substituir 2% da atual demanda nacional de querosene de aviação e diesel atendida pela Vibra.

Tanto o HVO quanto o SAF são drop in – isto é, os seus respectivos usos não exigem adaptações nos maquinários, nem necessidade de mistura, ao contrário do biodiesel. Isso permite que a substituição dos fósseis pelos biocombustíveis ocorra de forma mais imediata.

Aposta na descarbonização da Região Norte

A utilização dos biocombustíveis pode gerar uma redução das emissões de gases do efeito estufa de 50 a 90%, em relação ao diesel e querosene de aviação (QAV). .

De acordo com o diretor executivo de operações da Vibra, Marcelo Bragança, a ideia da empresa, a princípio, é atender aos clientes da Região Norte do país, ajudando-os nas suas ambições de descarbonização.

O HVO e o SAF produzidos inicialmente na planta da BBF poderiam substituir até 24% da demanda regional de QAV e diesel atendida hoje pela Vibra.

Sobre SAF e diesel verde

Latam, Gol e Azul seriam as principais interessadas no consumo de SAF. Representantes das companhias aéreas, inclusive, estiveram presentes no evento de lançamento do projeto, na segunda-feira (11/04), em Roraima.

A BR Aviation – marca da Vibra para fornecimento de combustível para aviação- atende 90 aeroportos no Brasil, e responde por 70% do mercado brasileiro. Na Região Norte, é responsável por 94% do mercado.

Já indústrias e grandes empresas de mineração da região, em especial a Vale no Pará, despontam como potenciais consumidoras de diesel verde, para substituir o diesel que abastece locomotivas e grandes máquinas e caminhões.

“Apostamos nos nossos clientes que têm interesse em começar a fazer a transição em algum momento para usar mais renováveis”, disse Bragança

Gabriel Chiappini -- EPBR