Selo Combustível Social

Fetraf-Sul negocia aumento do bônus com usinas de biodiesel


BiodieselBR.com - 14 set 2012 - 14:15 - Última atualização em: 29 nov -1 - 20:53
bonus agricultura_familiar_1_140912
A preparação da safra 2012/2013 mal começou e as usinas de biodiesel já saíram à caça dos contratos com a agricultura familiar para atender as recém-revistas exigências do Selo Combustível Social no ano que vem. A notícia partiu da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar da Região Sul (Fetraf-Sul) que está ativamente envolvida nas negociações dos três estados da Região Sul. Segundo a liderança da entidade, o valor do bônus pago pelas usinas deverá ser maior este ano.

“As negociações já estão acontecendo. Agora que o plantio da safra começou, as empresas estão procurando as cooperativas para tentar firmar contratos”, explica o secretário-geral da Fetraf-Sul, Diego Kohwald. Para ele as perspectivas para a próxima safra são as melhores possíveis, com uma boa produção de soja acompanhada de preços que deverão se manter competitivos ainda por vários meses. Nesse contexto, a entidade está propondo um bônus equivalente a R$ 1,50 por saca comercializada. Isso é 15% acima valor de saída de R$ 1,30 que a Fetraf-Sul almejou no ano passado.

Segundo o entrevistado, essa é apenas a orientação inicial e o valor final deverá ficar abaixo disso conforme as negociações individuais forem evoluindo. No ano passado, por exemplo, o bônus final acabou ficando entre R$ 1,20 e R$ 1,10. “Mas nós estamos trabalhando para a elevação do bônus”, sintetiza a liderança.

Novas regras
As novas regras do selo dão uma força a mais ao pleito da entidade. De acordo com a Portaria 60 que o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) publicou nessa segunda-feira, o percentual mínimo que as usinas detentoras do selo social precisam comprar dos agricultores familiares do Sul do país passa a ser de 35% na próxima safra, subindo para 40% nas compras da safra 2013/2014 – antes era de 30%.

Por outro lado, o MDA flexibilizou algumas diretrizes que antes restringiam as compras das usinas, especialmente nas compras fechadas através das cooperativas. Em primeiro lugar, passam a poder vender para as usinas todas as cooperativas que tenham 60% de agricultores familiares (pela regra anterior a exigência era 70%) em seus quadros com DAP. As aquisições de cooperativas também passam a ser beneficiadas por um multiplicador de 1,2.

De acordo com Kohwald, no ano passado a Fetraf-Sul avalizou contratos da ordem de 7,5 milhões de sacas de soja.

Fábio Rodrigues – BiodieselBR.com