Cooperativas

MDA quer profissionalizar gestão de cooperativas ligadas ao biodiesel


BiodieselBR.com - 26 set 2012 - 10:50 - Última atualização em: 29 nov -1 - 20:53
gestao cooperativas_mda_260912
Na semana passada, o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) publicou no Diário Oficial da União uma chamada pública que vai selecionar entidades de assistência técnica para desenvolver atividades de fortalecimento à gestão das cooperativas da agricultura familiar que fornecem matérias-primas para usinas de biodiesel. A meta do governo é capacitar um total de 24 empreendimentos localizados no Centro-Oeste e Nordeste.

O ministério pretende investir até R$ 4,15 milhões na iniciativa. Ela faz parte de um projeto bem maior que o MDA e o Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequena Empresa (Sebrae) lançaram em agosto passado. A iniciativa prevê investimentos da ordem de R$ 180 milhões em atividades de aprimoramento da gestão de cooperativas.

Segundo o coordenador-geral de biocombustíveis do MDA, André Machado, o número de cooperativas da agricultura familiar que participam do PNPB, vendendo oleaginosas para as usinas de biodiesel vem crescendo de forma bastante acelerada e já conta com 65 cooperativas participantes. Hoje, a maioria dessas cooperativas está concentrada na Região Sul, contudo, Machado ressalta que o ministério tem identificado “um aumento interessante no Centro-Oeste e no Nordeste”. Entre 2007 e 2011, o número de cooperativas do CO subiu de uma para nove, e no NE foi de uma para cinco.

“Temos percebido em nosso trabalho de campo que o biodiesel não apenas fortaleceu cooperativas que já trabalhavam com oleaginosas, como também foi o responsável pelo surgimento de algumas entidades novas. O biodiesel teve esse poder e tem servido como um trampolim para elas”, resume. O problema é que essas novas cooperativas ainda “apresentam fragilidades” por não terem uma gestão profissional que as permitam terem uma logística bem organizada. “Queremos ajudar essas cooperativas para que elas saiam da informalidade e do amadorismo e virem empreendimentos de fato”, completa. Para ele, a reversão desse quadro permitirá uma maior segurança na cadeia de fornecimento da indústria por parte de seus parceiros da agricultura familiar.

“Ter uma cooperativa forte e bem estruturada com capital de giro, técnicos, gestão inteligente torna a vida das usinas bem mais fácil, porque elas podem negociar as condições apenas com a cooperativa ao invés de terem que fechar contratos com algumas centenas de agricultores individualmente”, elabora Machado.

Para tanto o ministério selecionou dois lotes de 16 cooperativas – um no CO e outro no NE – dos quais será selecionado o grupo de 24 entidades.

As propostas selecionadas deverão ser anunciadas em meados de novembro. A entidade selecionada será contratada por 24 meses com a opção de ter o contrato renovado pelo ministério por igual período.

Fábio Rodrigues – BiodieselBR.com