030

Apagão do metanol


Edição de Ago / Set 2012 - 27 ago 2012 - 09:27 - Última atualização em: 31 out 2012 - 12:01
Operação-padrão dos auditores fiscais da Receita Federal está dificultando a importação do insumo, fundamental para a indústria

Fábio Rodrigues, de São Paulo

O metanol anda causando insônia em mais de uma usina. Por causa de uma prolongada queda de braço salarial entre o sindicato dos auditores fiscais e o governo federal, o setor tem passado por maus bocados para conseguir liberar as cargas do insumo (indispensável no processo de fabricação do biodiesel) que chegam aos portos brasileiros.

A mobilização dos auditoresfiscais começou em 18 de junho e vem alternando paralisações pontuais e operações-padrão, que têm afetado o ritmo de liberação de cargas importadas pelos principais portos. Declarações de Importação (DIs) que normalmente são liberadas em cinco dias têm ficado paradas por mais de 20 dias. Uma nota publicada pelo Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Sindifisco) indicava que havia mais de 500 DIs à espera de liberação apenas no Porto de Paranaguá (PR).

O problema é que o Brasil está longe de ser autossuficiente na produção de metanol. Dados da Associação Brasileira da Indústria Quimica (Abiquim) indicam que em 2010 o país importou 75% das 770 mil toneladas de metanol consumidas pela indústria nacional. Isso significa que o movimento grevista coloca em risco todos os setores industriais cujo funcionamento dependa do metanol.

Maior fornecedora de metanol do mundo, a canadense Methanex declarou-se preocupada com a situação no mercado brasileiro e confirmou que havia o risco do desabastecimento. Segundo a empresa, embora os estoques do produto estejam disponíveis, sem a liberação não é possível distribuí- -lo para os clientes finais.

Há casos de usinas que só não tiveram que paralisar a produção porque conseguiram metanol emprestado de outras empresas que ainda tinham o produto em estoque. “Desde que eu estou na indústria do biodiesel, essa é a situação mais grave que já enfrentei”, disse o executivo de uma fabricante de biodiesel.

Para acelerar a liberação de suas encomendas, muitas usinas têm procurado a Justiça. Um levantamento apontou que, desde o final do junho, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região – que atende aos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul – já recebeu 11 pedidos de mandado de segurança relacionados a cargas de metanol.