027

Releilão: Petrobras segue faturando cada vez mais


Edição de Fev / Mar 2012 - 08 mar 2012 - 13:10 - Última atualização em: 11 mar 2012 - 19:28
Estatal tem tirado proveito do papel central que ocupa na cadeia comercial do biodiesel para faturar alto

Fábio Rodrigues, de São Paulo

Desde abril passado, quando a divulgação dos resultados dos releilões passou a ser obrigatória por ordem da portaria nº 274 do Ministério de Minas e Energia, aos poucos vai ficando mais claro o “custo Petrobras” na cadeia do biodiesel. No 24º leilão, por exemplo, a estatal embolsou impressionantes R$ 79 milhões graças ao papel de atravessadora para o qual foi designada.

Por seu porte e capacidade operacional, a estatal funciona como um amortecedor que garante o funcionamento sem choques do mercado. As usinas recebem sem sustos pelo biodiesel que venderam e as distribuidoras não ficam desabastecidas ao menor problema de um fornecedor qualquer. Não é pouca coisa. Contudo, com os resultados de três releilões divulgados – relativos aos leilões de número 22, 23 e 24 –, fica evidente que a petroleira tem ficado com uma fatia régia do bolo.

Na ponta do lápis, o preço médio por litro de biodiesel, que havia ficando em R$ 2,3328 no 24º leilão, saltou para R$ 2,4731 no releilão. Os quase 14 centavos de diferença são uma montanha de dinheiro se consideradas as margens esquálidas, típicas do mercado de combustíveis.

Isso tem causado assombro até em Brasília, que recentemente chamou a Petrobras às falas e cobrou explicações sobre esse ágio. Os números apresentados pela companhia para justificar os valores do releilão, aos quais BiodieselBR teve acesso com exclusividade, causam algumas surpresas. Primeiro porque a conta é salgada. Segundo, porque para pagar os técnicos da empresa seriam precisos R$ 86,28 por metro cúbico de biodiesel vendido apenas para empatar os custos do penúltimo releilão – relativo ao 23º leilão. Isso colocaria a fatura em R$ 53,5 milhões considerando a venda de 620 milhões de litros previstos para o pregão. Acontece que o faturamento da estatal nesse releilão em particular foi de R$ 106 milhões. Isso indica que a Petrobras teve um lucro líquido de mais de 100% com uma operação na qual teoricamente deveria ter apenas um lucro marginal.