019

Alexandre Pereira: Matéria-prima


Edição de Out / Nov de 2010 - 15 out 2010 - 10:04 - Última atualização em: 19 jan 2012 - 11:32


Como a empresa faz para garantir a qualidade do biodiesel?
Alexandre Pereira
A Bioverde tem sua base em uma indústria química que fazia produtos para a indústria alimentícia, que tem uma exigência muito grande. O biodiesel é muito mais simples do que era feito na L Queiroz antes. O cuidado com os materiais, com a matéria-prima, o uso de catalisadores de primeira linha, a filtragem, tudo isso já vem dessa cultura. Não economizamos em nada. Usamos tudo com muita eficiência. Por isso nosso produto final é muito mais bem elaborado que o da maior parte dos concorrentes. No fim você não tem reclamação nenhuma de nenhum tipo por parte das distribuidoras que retiram nosso produto.

Um dos grandes desafios da indústria é garantir matéria- -prima oriunda da produção da agricultura familiar e assim manter o selo Combustível Social. Como a Bioverde trabalha com isso?
Alexandre Pereira
O projeto da Bioverde é um trabalho único do país. Temos o selo baseado num projeto de gergelim na região Centro-Oeste (Goiás e Mato Grosso do Sul). São 28 assentamentos rurais. Pretendemos expandir para o Tocantins e Mato Grosso. Hoje nós estamos em 15 municípios, duas cooperativas, 567 contratos, 484 famílias e 30 assentamentos. Encerrando essa safra já vamos começar os investimentos das próximas. A empresa pretende chegar a 10 mil hectares na próxima safra. O Brasil é importador de gergelim. A Bioverde é o maior produtor de gergelim do país, e com esse investimento que foi feito o Brasil vai passar de importador para exportador. Isso vai mexer positivamente com a balança comercial, além de beneficiar o agricultor familiar.

Mas esse óleo é usado na produção de biodiesel?
Alexandre Pereira
Nós não usamos o óleo de gergelim na produção de biodiesel. Ele vai para a cadeia de produção alimentar. É um óleo muito utilizado na comida oriental, árabe. Fora a pasta de gergelim, que também é bastante usada. Nossa matéria-prima para biodiesel são óleos vegetais e alguns ácidos graxos de recuperação do próprio produto. É soja na maior parte, e utilizamos também muito óleo de algodão. Já tivemos algumas parcerias. Hoje é mercado mesmo.

Para a Bioverde, há matérias- primas que podem assumir o lugar da soja na produção do biodiesel?
Alexandre Pereira
Estamos fazendo alguns estudos, inclusive com o amendoim, que tem volume muito grande de óleo, além de produzir uma torta que pode ter outras aplicações. Mas ainda é incipiente. A gente está estudando outras matérias-primas. Mas hoje para garantir o volume de produção temos que ficar com as oleaginosas que já estão consolidadas. O papel principal do programa é manter o homem no campo. A cultura que a gente escolheu tem esse viés. Está assentando o homem no campo e cumprindo o papel social.

Como é a relação da Bioverde com a Petrosul, que é considerada pela ANP uma das distribuidoras com o pior diesel distribuído no Brasil?
Alexandre Pereira
A Bioverde é totalmente independente. Tem dentro do seu quadro societário o Trend Bank, que se associou à empresa no final de 2009, quando comprou 50% do nosso capital com a intenção de permitir que a empresa criasse musculatura. A Petrosul, no passado, foi a empresa que garantiu a compra dos ativos da indústria que deu origem à Bioverde. Manteve a empresa por um ano e meio, quando ficamos aguardando as licenças; manteve o quadro de funcionários. Até que vendemos 5 mil litros no leilão, só para ver se a fábrica funcionava mesmo. Vendemos com a consciência de que íamos ter um prejuízo. Mas para quem já estava parado há um ano, foi o suficiente para colocar a fábrica em operação.