013

Distribuição: Infra-estrutura


BiodieselBR.com - 12 nov 2007 - 15:16 - Última atualização em: 20 jan 2012 - 11:19
Infra-estrutura
A região Centro-Oeste é responsável atualmente por mais de 39% de toda produção nacional de biodiesel. Segundo dados estatísticos do Sindicom, um caminhão que parte da região Sudeste com destino ao Centro-Oeste para coleta da produção demora 5,5 dias em média para retornar ao ponto de partida. Tomando como base o mapa de distribuição de combustíveis no país, o principal canal de escoamento da produção utilizado em Mato Grosso são as rodovias partindo de Cuiabá (MT) com sentido a Campo Grande (MS). A partir desta última cidade já é possível contar com transporte ferroviário. No Estado de São Paulo, os dutos só estão disponíveis entre Ribeirão Preto e Paulínia, com as rodovias sendo a única opção a partir daí (veja mapa).

Com base em dados estatísticos sobre rodovias do último levantamento realizado em 2006, o Sindicom chegou à conclusão que 78% das estradas no Centro- Oeste estão entre regular, ruim e péssimas. No Sudeste e no Sul esse índice é de 64% e 70%, respectivamente. O recorde ficou com o Nordeste, uma vez que 89% das vias estão em más condições. “Por isso é importante alocar recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para resolver esses problemas”, explicou Marcondes.

Além do aumento no volume de etanol transportado pelos dutos já existentes, os distribuidores estudam ampliar o uso das ferrovias. “Sabemos que os investimentos em dutos são extremamente elevados. No caso das ferrovias ainda não há nenhuma proposta, mas com parcerias privadas para investimento e regras mais claras para utilização do sistema seria uma grande opção”, destacou o diretor do Sindicom.

No entanto não há, pelo menos por enquanto, qualquer tipo de intenção em mudar o modal. A Transpetro, subsidiária da Petrobras que opera os dutos e gasodutos, afirmou por meio de sua assessoria que não há projetos para transporte de biodiesel por dutos, que ainda é economicamente inviável em virtude do baixo volume produzido. A malha de oleodutos possui pouco mais de 7 mil quilômetros de extensão e transporta cerca de 245 milhões de metros cúbicos de combustíveis por ano.

Segundo levantamento feito pela Revista BiodieselBR, o Estado de Mato Grosso é o recordista na concentração de unidades produtivas, com 16 usinas em atividade, seguido por São Paulo, com seis usinas; Goiás, Bahia, Minas Gerais e Rio Grande do Sul possuem quatro cada. Exemplo de tamanha concentração no Centro-Oeste são as grandes produtoras de biodiesel como a ADM, com uma capacidade anual de 344 milhões de litros, e que fica localizada em Rondonópolis (MT). A ela juntam-se a Granol, com capacidade de 191 milhões de litros por ano, localizada em Anápolis (GO), e a Fiagril, de Lucas do Rio Verde (MT), que pode produzir 148 milhões de litros por ano. Todas com forte presença nos leilões de venda de biodiesel para distribuição nas regiões Sul e Sudeste.

Para reduzir essa concentração e favorecer a logística, o sindicato das distribuidoras sugere que os novos investimentos em capacidade instalada sejam feitos nas regiões Sul e Sudeste. “A maior parte da demanda fica concentrada nessas regiões, onde também há grande oferta de sebo bovino. Porém, é preciso levar em consideração os custos com a compra de soja vinda do Centro- Oeste”, concluiu o diretor do Sindicom.