011

Ubrabio: B4 - Novo passo rumo ao futuro


BiodieselBR.com - 30 jun 2007 - 14:43 - Última atualização em: 19 dez 2011 - 17:52


O governo confirmou para o próximo dia 1º de julho a consolidação do chamado B4 – índice de mistura de 4% de biodiesel ao óleo diesel de petróleo.

A nova fase do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) representa importante marco na longa caminhada brasileira rumo a uma guinada histórica em nossa matriz energética.

Um primeiro aspecto a ser considerado é o ganho ambiental, reafirmando com realizações práticas de grande sucesso o posicionamento do Brasil nas questões do controle do aquecimento global.

Não podemos perder de vista, porém, que o maior aproveitamento do biodiesel na matriz energética brasileira tem também enorme importância econômica e estratégica para o país.

O Brasil assume, no plano internacional, posição de destaque na nova ordem energética mundial. Internamente, desenvolve pesquisa e novas tecnologias, ao mesmo tempo em que induz a geração de renda, principalmente para a agricultura familiar.


Frente parlamentar ambientalista

Para marcar tão importante data, a Frente Parlamentar Ambientalista promove, em 1º de julho, café da manhã de seus integrantes com a UBRABIO – União Brasileira do Biodiesel, entidade que representa toda a cadeia de produção e de comercialização do biodiesel.

Estarão presentes, além dos parlamentares da Frente, representantes de empresas filiadas à UBRABIO, pesquisadores, ambientalistas e autoridades do governo ligadas ao setor.

O encontro é uma oportunidade para se debater a entrada em vigor do B4 e os rumos do PNPB.


Biodiesel metropolitano


No ápice das discussões da redução do teor de enxofre nos gases de emissões dos veículos de transportes de carga e passageiros nas grandes cidades, surge a necessidade de se posicionar o biodiesel metropolitano.

A discussão da adoção do S10 (diesel de petróleo) já determinada pela Resolução do Conama nº 403, de 11/11/08, deverá incorporar uma meta de adicionamento de biodiesel numa proporção maior, também um mercado regulamentado pela obrigatoriedade.

Nas grandes cidades o nível de poluição do ar poderá ser reduzido, gerando melhora da qualidade de vida, ou seja, poupando vidas e custos incomensuráveis com a saúde das populações urbanas.

O novo Programa de Biodiesel Metropolitano poderia iniciar em proporções aproximadas de B20, sinalizando um possível crescimento para B30, na próxima década.

Não haverá melhor oportunidade que a introdução conjunta do S10 e o Biodiesel Metropolitano na forma de programa único pela impossibilidade de lidar com dois programas dessa envergadura, simultaneamente, quando na verdade trata-se de um OBJETIVO ÚNICO.


Ubrabio

O encontro com a Frente Ambientalista também será mais uma oportunidade para que a UBRABIO possa apresentar um relato do forte trabalho que tem feito como interlocutora frequente do governo, atuando em nome da cadeia produtiva do biodiesel.

Segundo o presidente do Conselho Superior da UBRABIO, Juan Diego Ferrés, “construímos entre as autoridades e os associados uma ponte que assegura a discussão de todos os problemas do setor de forma clara e objetiva, o que tem levado a uma contribuição mútua que em última análise provoca o desenvolvimento irrefutável da fonte de energia do futuro – renovável e limpa”.

Esse trabalho conjunto tem levado o país aos melhores resultados no que se refere à consolidação e aperfeiçoamento das políticas públicas e das estratégias para difundir interna e externamente uma nova matriz energética que tem o Biodiesel como locomotiva do novo ciclo de desenvolvimento.