011

Brasbiodiesel - Reciclagem e o PNPB


BiodieselBR.com - 08 jul 2007 - 14:56 - Última atualização em: 20 jan 2012 - 11:50
Reciclagem
Recentemente, a empresa lançou uma campanha de coleta de óleo de fritura, em parceria com empresas da região de Lins. O programa, chamado de Amigão do Meio Ambiente, está incentivando a população a trocar quatro litros de óleo usado por um frasco de 900 ml de óleo novo em uma rede de supermercados. Essa não é a única iniciativa do grupo nesse sentido. A empresa também participa do programa De Olho no Óleo, em parceria com a prefeitura do município e a Cooperativa de Resíduos Sólidos de Lins (Copersol). Neste caso, são os catadores que recolhem o óleo de instituições e estabelecimentos comerciais da cidade. A transformação do resíduo em biodiesel é mais que uma fonte alternativa de matéria-prima: contribui para a preservação ambiental e gera renda aos trabalhadores da cooperativa.

Apesar de representar uma oferta tímida de óleo para a produção de biodiesel, a ação é vista como um projeto de “grandiosa importância” para a sociedade, de acordo com o diretor comercial. “A produção de biodiesel a partir de óleo reciclado tem se mostrado técnica e economicamente viável até o momento. É verdade que a quantidade coletada de óleo de fritura ainda é pequena, mas o grupo Bertin está comprometido em desenvolver ações que visem a sustentabilidade, e o apoio aos programas de coleta de óleo de fritura usado é mais uma dessas ações”, resume Barros.

Diamante
“A obrigatoriedade de uso do biodiesel começou em janeiro de 2008, ou seja, há um ano e meio. Trata-se de um diamante que está sendo lapidado a cada dia”, resume o diretor comercial da usina, Rogério Barros, apostando que o setor tem todas as possibilidades de continuar em expansão. “O grupo Bertin decidiu ingressar no setor do biodiesel por acreditar no potencial dos biocombustíveis”, comenta.

Ele cita o aumento da mistura de biodiesel no diesel mineral como o principal desafio hoje do programa brasileiro. “Temos no país uma capacidade de produção instalada tranqüilamente suficiente para suprir uma mistura inclusive superior ao B5 (5% de biodiesel misturado ao diesel). Precisamos alcançar rapidamente misturas maiores para evitar que fábricas fiquem paralisadas. Assim, em seguida, em parceria com todos os atores do processo, poderemos começar a discutir o caminho para o B10”, analisa. A partir de julho, o biodiesel passa a ser misturado ao diesel na proporção de 4% e há uma grande expectativa para que o B5 entre em vigor em janeiro de 2010.

Nem mesmo os efeitos da crise financeira mundial parecem ter cancelado os planos da BrasBiodiesel, apesar da cautela que o momento pede. De acordo com Barros, o grupo Bertin acredita na recuperação da economia em um ritmo de crescimento sustentável. “Existem, sim, planos para novos investimentos. Esses projetos devem ser confirmados e divulgados assim que um ambiente de segurança e de crescimento sustentável seja alcançado no Brasil”.