PUBLICIDADE
cremer cremer
Produção e consumo

[Atualizado] Oito usinas podem ficar de fora do 27º leilão de biodiesel


BiodieselBR.com - 19 jul 2012 - 15:17 - Última atualização em: 20 jul 2012 - 11:48
Carregamento biodiesel postos
A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) liberou os dados das entregas de biodiesel do 2º trimestre deste ano, referentes aos 25º Leilão de Biodiesel. Na média, o setor entregou 85,7% do biodiesel que foi arrematado durante o leilão (veja tabela abaixo). Isso representa uma piora significativa no desempenho do setor em relação ao 1º trimestre, quando o resultado ficou em razoáveis 95,8%.

A informação de que as entregas do setor no trimestre seriam ruins não é uma novidade para o mercado, pois em junho, BiodieselBR informou com exclusividade que a Petrobras realizaria um leilão de estoque às pressas para garantir a oferta do produto para as distribuidoras. Agora, no entanto, é possível compreender a dimensão e quais foram as unidades que mais contribuíram para agravar o problema. Em números absolutos, entre os meses de abril e junho saíram das usinas 582,3 milhões de litros de biodiesel, dos quais 679,4 milhões foram efetivamente negociados durante o pregão.

O 25º leilão não fugiu a regra dos certames realizados pela ANP e carregou a sua tradicional dose de controvérsia, com a maior polêmica envolvendo justamente esta questão das entregas de biodiesel.

A Bionasa entregou menos de 80% do volume vendido durante o 23º leilão, mas, mesmo assim, a usina de Porangatu (GO) participou e saiu da disputa com oito itens, que somados alcançavam 20,6 milhões de litros. A demora da ANP em tomar uma decisão, fez com que a situação só fosse corrigida na fase de homologação. Assim a Bionasa ficou de fora do rol de vencedoras e o leilão deixou de comprar 20 milhões de litros. Com isso, o mercado já começou o trimestre desfalcado. Como a ANP ainda não publicou os dados sobre as vendas de óleo diesel referente ao mês de junho, não é possível ter certeza se as entregas conseguiram atender a demanda ou se faltou biodiesel.

Resultados
Somente duas usinas conseguiram bater a marca dos 100% de entregas: Biocar e Fertibom. Mas como ambas venderam relativamente pouco no leilão 25 – 1,5 milhão e 300 mil litros, respectivamente –, a boa performance delas praticamente não ajudou a reduzir o desfalque.

Outras 17 usinas fecharam o trimestre dentro do limite contratual de 90% e, por isso, não devem sentir maiores consequências.

Já sete unidades produtivas ficaram entre os limiares de 90% e 80% de entregas o que deve resultar em multas. Dentro desse grupo está a Caramuru de São Simão, 10ª maior usina do país e duas das unidades da Petrobras Biocombustível.

Usina não entregou ou distribuidora não retirou?
Mas a situação mais complicada é a do grupo de nove usinas que não conseguiram atingir a marca de 80% de entregas, limiar que impede a participação no leilão subsequente. Não está claro se todas essas unidades serão punidas, pois é levado em conta se a baixa performance foi causada pela usina ou se foi alguma distribuidora que deixou de retirar parte do biodiesel.

Se as distribuidoras não forem as responsáveis pelo desempenho abaixo de 80%, serão 145 milhões de litros em capacidade produtiva que não poderão ser ofertados no próximo pregão.

Pelo menos um nome nessa lista já era esperado: a Biocapital. A empresa paulista teve suas autorizações canceladas pela ANP em 25 de maio passado após um processo administrativo desencadeado por problemas na qualidade de seu biodiesel. A usina era uma das maiores do país com capacidade para 296,4 milhões de litros por ano.

Atualização 19/07 - 18h20m: A Biocamp entrou em contato com BiodieselBR e informou que entregou 16.282 m3 no trimestre e não 13.117 m3 como informou a ANP. Caso a empresa esteja correta, isso representa um desempenho de 89%, e não 72% como está na tabela abaixo fornecida pela ANP. Este tipo de divergência também aconteceu na última divulgação, inclusive com a própria Biocamp.



BiodieselBR.com