Informações

Óleo impera na definição de preços de B100


Argus - 02 dez 2021 - 08:54

Usinas de biodiesel e distribuidoras de combustíveis ainda discutem as referências de preço para o produto que abastecerá o mercado em janeiro e fevereiro. O prazo para submeter os contratos à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) é 20 de dezembro.

A Argus apurou que estão na mesa ao menos três opções de fórmulas de preços. A definição da mistura obrigatória de biodiesel em 10% para 2022 destravará as negociações, já que este era um fator que deixava os produtores inseguros para determinar volume e preço nos contratos.

O referencial comum entre as tradings nas regiões Sul e Centro-Oeste inclui no modelo de custo a variação do óleo de soja na Bolsa de Chicago (CBOT), do câmbio, mais um prêmio. Neste caso, a principal vantagem no uso do contrato futuro, benchmark global de preço, é a possibilidade de garantir margens maiores ao traçar operações de hedge para se proteger das oscilações do mercado, principalmente do lado dos produtores.

A segunda alternativa de parte das esmagadoras concentradas nos polos produtores de soja é a fórmula com base no óleo de soja fob Paranaguá, mais natural entre os exportadores do óleo vegetal que também têm operações na região de Rosário, na Argentina, maior exportadora do produto e formadora de preço.

Os contratos entre usinas e varejistas atrelados a esta composição acompanham a dinâmica do paper market em Paranaguá, que permite reduzir o risco de base em relação ao mercado futuro de Chicago.

Um dos principais fatores conjunturais direcionando esta referência de exportação tem sido a escassez hídrica na bacia do rio Paraná, que reduz a profundidade do calado no porto argentino. As tradings são obrigadas a despachar navios com volume menor de produto e completá-los em Paranaguá e Rio Grande, onde os preços operam a prêmio em relação ao mercado doméstico devido à demanda.

As exportações de óleo de soja atingiram um recorde histórico de 1,17 milhão de t entre janeiro e outubro deste ano, segundo dados do Ministério da Economia. O volume representa um aumento de 30pc em relação ao mesmo período de 2020.

Aliada à recuperação da economia global e à elevação da demanda por alimentos e combustíveis renováveis, o valor do óleo vegetal se mantém firme durante as entressafras argentina e brasileira.

A terceira referência de precificação bastante ouvida entre os produtores localizados no Sudeste e no Nordeste é o óleo de soja base cif São Paulo. Neste caso, o indicador tem exposição menor ao mercado externo, já que é precificado diretamente em reais.

Usinas não verticalizadas que compram óleo de soja têm considerado o uso das bases domésticas ou fob Paranaguá para pautar o preço do biodiesel. Alguns produtores contemplam adquirir a matéria-prima com preço indexado ao mercado doméstico e vender o biodiesel seguindo a tendência de preço no mercado externo.

Grandes distribuidoras de combustíveis ouvidas pela Argus afirmaram que as negociações com as usinas estão avançadas, sendo que algumas chegaram a acordos em mais da metade do volume que será contratado para o primeiro bimestre.

Num primeiro momento, a revisão dos contratos deverá ser semanal para refletir melhor a variação no preço do óleo de soja, principal insumo para a produção do biodiesel. A tendência é que para o período de março e abril as discussões já estejam suficientemente amadurecidas e sejam adotados índices tendo como base o preço do próprio biocombustível negociado no mercado à vista.

Alexandre Melo – Argus