PUBLICIDADE
cremer
Exportação

Exportações de óleo de soja avançaram 58% no ano passado


BiodieselBR.com - 24 jan 2023 - 18:32

O Brasil repetiu o roteiro do ano passado no mercado de óleo de soja: com a mistura de biodiesel reduzida para B10, a saída foi exportar mais. Bem mais! Os números do governo mostram que os embarques do derivado do principal produto do agronegócio brasileiro beiraram os 2,61 milhões de toneladas. Isso representa um salto de vistosos 58,1% sobre as já robustas exportações do ano anterior.

Esse resultado faz de 2022, o segundo ano mais exportador para o produto. Ele perde apenas para 2005 – três anos antes do lançamento da mistura obrigatória de biodiesel – quando as exportações de óleo foram de quase 2,70 milhões de toneladas.

Isso quer dizer que saíram do país – na forma de óleo – o equivalente a cerca de 13,7 milhões de toneladas de soja em grão. Além disso. outros 78,9 milhões de toneladas de soja já haviam saído do país in natura ao longo do ano passado.

Pelas contas da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), a quantidade de óleo exportada equivale a aproximadamente um quarto do volume do derivado produzido no país no ano passado. Embora tenha batido na trave em 2012, a última vez que o Brasil exportou uma fatia tão relevante de sua produção de óleo foi em 2009 quando o mercado externo absorveu 27% da produção nacional.

Desde o lançamento da mistura obrigatória de biodiesel em 2008, a parcela do óleo brasileiro com destino ao mercado externo vinha recuando de forma consistente. Em 2020, o percentual foi de 11,6% – o menor num histórico mantido desde 1999. Com a redução no mandato de biodiesel, a indústria nacional de esmagamento recolocou seu produto no mercado global.

Preço alto

O momento do mercado favoreceu esse movimento. Os preços pagos pelo óleo de soja brasileiro vinham subindo desde meados de 2020 quando as cotações passaram a se recuperar do tombo que levaram em função do coronavírus.

Na primeira metade do ano passado, os preços médios pagos pela tonelada do óleo de soja exportado pelo Brasil saltaram 28,5% indo de US$ 1.373,46 em janeiro para US$ 1.764,78 em junho passado.

Depois desse pico, o mercado mudou de direção e os preços médios do óleo exportado recuaram para US$ 1.337,51. Ainda assim muito acima dos US$ 898,91 da média dos últimos 10 anos.

A convergência entre volume elevado e preços altos garantiram que o Brasil faturasse como nunca no mercado de óleo de soja. Foram praticamente de US$ 3,95 bilhões em faturamento. Crescimento de 95,7% sobre os ganhos de 2021 e – de longe –o maior lucro do país com a exportação de óleo de soja.

O recorde anterior era de US$ 2,67 bilhões em 2008.

Índia

Uma das principais alavancas das exportações brasileiras foi a Índia. Maior comprador global de óleos vegetais, o país asiático demandou 1,61 milhão de toneladas de óleo de soja brasileiro – quase 62% do total exportado.

No ano passado, a Índia havia absorvido 641,8 mil toneladas do produto o que equivalia a menos de 39% das exportações nacionais.

O crescimento na demanda indiana e também de Bangladesh – nosso segundo maior comprador com 259 mil toneladas – foi mais que suficiente para compensar as perdas no mercado da China cujo consumo despencou quase 62% indo de 427,3 para 162,7 milhares de toneladas.

Fábio Rodrigues – BiodieselBR.com{/viewonly}