PUBLICIDADE
cremer
Autorizações

Usina da ADM (SC) entra em operação e Biocamp moderniza fábrica


BiodieselBR.com - 17 dez 2012 - 11:34 - Última atualização em: 29 nov -1 - 20:53
adm joacaba_171212
A edição de hoje (17) do Diário Oficial da União (DOU) traz duas autorizações com desdobramentos relevantes para o segmento de biodiesel. Na primeira, a ADM recebeu sinal verde da ANP para colocar em funcionamento sua segunda unidade produtiva no Brasil – localizada em Joaçaba (SC). A outra autoriza a Biocamp a realizar obras de modernização dos equipamentos na usina de Campo Verde (MT).

A norte-americana ADM foi a primeira das gigantes do setor de trading de commodities agrícolas a entrar no mercado brasileiro de biodiesel, em novembro de 2007, e não está deixando por menos. A empresa já controla a maior usina de biodiesel do País – sua gigantesca unidade de Rondonópolis (MT) tem capacidade para fabricar 486,7 milhões de litros por ano. 

Embora não se compare com a usina mato-grossense, a unidade localizada no município de Joaçaba (SC) não é nada pequena. Ela terá 183,6 milhões de litros em capacidade, o que a torna a 16ª maior do País. Embora tenha tido seu projeto anunciado originalmente em novembro de 2010, a fábrica catarinense só ganhou autorização de construção esse ano.

Com isso, a ADM passará a ser a segunda maior fabricante de biodiesel do Brasil, controlando uma capacidade produtiva de 670,3 milhões de litros a partir de suas duas fábricas. A atual campeã do setor é a Granol, cujas três plantas podem oferecer quase 837,5 milhões de litros. Além dessas duas, apenas outras cinco empresas controlam mais de uma usina de biodiesel no Brasil.

Antes de entrar no mercado, a ADM ainda precisa conseguir a Autorização de Comercialização da ANP e o Registro da Receita Federal.

Biocamp
Embora sem aumento de capacidade, a Biocamp também tem novidades importantes a apresentar ao mercado. A empresa está fazendo novos investimentos para modernizar o maquinário de sua unidade produtiva em Campo Verde (MT), incluindo uma unidade de esterificação. 

As obras não irão modificar a capacidade produtiva que hoje está em 108 milhões de litros por ano. Trata-se da 30ª maior planta brasileira.

Fábio Rodrigues – BiodieselBR.com