Pesquisa

Pesquisadores indianos desenvolvem nanoaditivos para o biodiesel


BiodieselBR.com - 04 set 2012 - 14:20 - Última atualização em: 29 nov -1 - 20:53
nanoaditivos biodiesel_040912
Pesquisadores do Departamento de Engenharia Mecânica da Anna University, localizada na cidade indiana de Chennai, estão desenvolvendo nanoaditivos capazes de melhorar a performance e o perfil de emissões do biodiesel. O trabalho estudou adição de partículas de magnálio – liga feita de alumínio e magnésio – e de óxido de cobalto com tamanhos entre 38 e 70 nanômetros (medida equivalente a um milionésimo de milímetro). O material foi adicionado ao biodiesel na proporção de 100 microgramas por litro e misturadas com auxílio de ultrassom e surfactantes.

As partículas de magnálio aumentam densidade energética dos combustíveis líquidos aos quais são adicionadas o que, em tese, reduz a quantidade de combustível consumido pelos veículos para percorrer a mesma distância. O aditivo também melhora a atomização do combustível nos motores permitindo uma mistura entre ar e combustível mais homogênea. Isso reduziu em 70% as emissões de hidrocarbonetos e em 41% as emissões de monóxido de carbono.

Já o aditivo de óxido de cobalto aumenta o volume de oxigênio disponível na combustão, o que melhora todo o processo e reduz as emissões. Testes indicaram uma diminuição de 60% nos hidrocarbonetos, 50% no monóxido de carbono e 45% nas emissões de óxidos de nitrogênio (NOx).

O NOx é um dos principais problemas ambientais relacionados ao uso do biodiesel. Embora o combustível renovável diminua significativamente as emissões de diversos poluentes emitidos pelo óleo diesel, com os óxidos de nitrogênio acontece o contrário – as emissões aumentam com a mistura do biodiesel. Além de ser uma das causadoras da chuva ácida, a substância também é uma importante precursora na formação do ozônio de baixa altitude que é um dos principais poluentes urbanos com efeitos nocivos para o sistema respiratório.

Em abril passado, outro pesquisador indiano publicou um artigo tratando do uso de nanopartículas de óxido de alumínio como aditivo para o biodiesel.

Fábio Rodrigues