Soja

Soja: em forte queda, saca passa de R$ 177 para R$ 155 em Goiás


Agência Safras - 03 dez 2020 - 10:14

Os preços da soja caíram um pouco mais nesta quarta nas principais praças do país. Em Goiás, o recuo foi mais consistente, de R$ 177 para R$ 155 a saca em Rio Verde, com a cotação se ajustando aos níveis das demais regiões e sentindo o efeito da ausência da demanda localizada por parte das indústrias.

O mercado seguiu praticamente sem negócios. Os produtores acompanham o final do plantio e o desenvolvimento inicial das lavouras. Destaque para a falta de chuvas em Goiás, que traz preocupação.

Em Passo Fundo (RS), a saca de soja 60 quilos caiu de R$ 150 para R$ 149. Na região das Missões, a cotação baixou de R$ 149 para R$ 148. No porto de Rio Grande, o preço seguiu em R$ 149.

Em Cascavel, no Paraná, o preço caiu de R$ 150 para R$ 149 a saca. No porto de Paranaguá (PR), o valor baixou de R$ 152 para R$ 150.

Em Rondonópolis (MT), a saca baixou de R$ 160 para R$ 159. Em Dourados (MS), a cotação recuou de R$ 147 para R$ 150.

Chicago

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a quarta-feira com preços em baixa, pela terceira sessão consecutiva. O mercado atingiu os menores níveis desde 16 de novembro, mas encerrou acima das mínimas do dia.

Os contratos da soja em grão com entrega em janeiro fecharam com baixa de 9 centavos de dólar por libra-peso ou 0,77% a US$ 11,53 por bushel. A posição março teve cotação de US$ 11,54 por bushel, com perda de 8,25 centavos ou 0,7%.

Nos subprodutos, a posição janeiro do farelo recuou US$ 4,60 ou 1,17% a US$ 385,60 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em janeiro fecharam a 36,92 centavos de dólar, baixa de 0,09 centavo ou 0,24%.

Após atingir o pico de US$ 12 em 23 de novembro, o contrato janeiro iniciou um movimento de retração, com base em fatores técnicos. Fundos e especuladores estão liquidando posições.

Tags: Soja