Sebo bovino

Sebo bovino caminha em direções divergentes no Brasil


Scot Consultoria - 29 mai 2019 - 10:56 - Última atualização em: 30 mai 2019 - 13:39

Os preços do sebo bovino caminharam em direções opostas em dois dos principais mercados brasileiros para o coproduto da atividade frigorifica ao longo da semana passada. No Brasil Central, as cotações mantiveram a tendência de queda que vem se sustentando desde janeiro; já no Rio Grande do Sul os preços subiram pela primeira vez este ano.

Segundo levantamento feito pela Scot Consultoria, no Brasil central o aumento na oferta de sebo bovino continua afetando a sustentação dos preços cobrados pelo produto.

Os preços médios praticados pelo quilo do sebo nessa praça encerraram a semana passada – 19 a 25 de maio – em R$ 2,10. Isso representa uma queda de mais 2,3% nas cotações. Do começo do ano até agora, as cotações já sofreram cinco reajustes sempre para baixo acumulando 16% de queda.

Aumento

Na praça do Rio Grande do Sul aconteceu o contrário. Na semana passada a demanda pelo produto sustentou uma alta de 2,3% nos preços que foram de R$ 2,20 para R$ 2,25 voltando ao nível em que estavam em 08 de maio passado.

Dos seis reajustes que os preços do insumo sofreram este ano no mercado do Rio Grande do Sul, este foi o primeiro positivo. Somadas todas as variações houve contração de 15,1% ao longo de 2019

Felippe Reis – Scot Consultoria
Com adaptação BiodieselBR.com