Dendê / Palma

Preços de óleo de palma devem continuar em baixa no curto prazo, prevê OCBC


Estadão Conteúdo - 26 jun 2019 - 09:18

Os futuros de óleo de palma (CPO, na sigla em inglês) negociados na Bolsa da Malásia devem manter tendência baixista no curto prazo, segundo o banco de investimentos de Cingapura OCBC. A instituição financeira destaca que, além de estagnados, os preços da commodity devem permanecer abaixo da cotação do petróleo bruto. O combustível é referência para os preços dos óleos com os quais estabelece concorrência.

“Dada a baixa classificação generalizada do óleo de palma como biocombustível, mesmo quando os governos malaio e indonésio estão tomando medidas ativas para promover o biodiesel, ainda há dúvidas se a demanda pela energia renovável pode decolar substancialmente”, explica o banco.

O OCBC acrescentou ainda que será difícil os futuros romperem a resistência de 2.000 ringgits por tonelada no curto prazo. “Isso ainda pode ser um forte catalisador para pressionar os preços do óleo tropical”, acrescenta o banco de investimento.

Na última sessão, os contratos de óleo de palma com vencimento para setembro perderam 18 ringgits, a 1.980 ringgits por tonelada (US$ 1 = 4,14345 ringgits).