Segurança alimentar

Óleos vegetais abrem o ano com alta de 7%


BiodieselBR.com - 07 fev 2020 - 11:33

Nem a virada do ano foi capaz de reduzir o ímpeto do atual rali nos mercados globais de óleos vegetais. Dados recém-divulgados pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) mostram que preços médios dos produtos mais negociados ao redor do mundo subiram mais 7% em agosto. Esta foi a sétima alta consecutiva.

 

 

O indicador, que acompanha as variações nas cotações de uma cesta formada por 10 óleos e gorduras, chegou a fevereiro em 176,3 pontos, 11,6 pontos a mais do que no encerramento do ano passado. A última vez em que as cotações estiveram acima desse patamar foi em fevereiro de 2017.

Embora esse processo tenha se iniciado a partir de julho, foi só em outubro que ele ganhou vigor. A alta acumulada apenas nos últimos três meses já passa dos 29,2%. No total, os aumentos somam 40,5%.

Biodiesel

O óleo de palma tem sido o principal responsável por alavancar esse processo. O mercado para essa commodity tem sido beneficiado pelo aumento do consumo de biodiesel no Sudeste Asiático.

Soja, girassol e colza também registraram aumentos de preço. A colza em particular atingiu seu maior valor desde maio de 2014.

Perda de fôlego

A onda, no entanto, pode estar começando a quebrar. Segundo os técnicos da FAO, a partir de meados do mês passado os mercados começaram a dar sinais de enfraquecimento em antecipação aos possíveis impactos que a crise do coronavírus poderá ter sobre a economia chinesa.

Além disso, tensões comerciais entre a Índia e a Malásia também colaboraram para conter o ímpeto no mercado de palma.

Mais caros

Embora sem o mesmo vigor demonstrado pelos mercados de óleos, outros segmentos que formam o Índice FAO dos Preços dos Alimentos também encerraram o mês passado em alta.

O indicador fechou janeiro em 182,5 pontos, 11,3% mais do que no mesmo período do ano passado.

Fábio Rodrigues – BiodieselBR.com