União Europeia

Europa: produção de biodiesel caiu em 2011


BiodieselBR.com - 07 ago 2012 - 18:03 - Última atualização em: 09 ago 2012 - 18:07
eurozona biodiese_070812
Segundo dados coletados pelo observatório de energias renováveis, Observ’ER, a produção de biodiesel da Europa diminuiu entre 2010 e 2011. A informação foi veiculada na edição 2012 do Barômetro dos Biocombustíveis publicada no final de julho passado.

O relatório qualifica a situação da indústria europeia em 2011 como “tensa” e aponta para os números preliminares da indústria. No ano passado foram fabricados 8,8 milhões de toneladas de biodiesel, uma queda de pouco mais de 8% em relação ao 9,57 milhões de toneladas produzidos no ano anterior. Se for confirmado, os resultados finais saem só em outubro, esse seria a primeira queda na produção registrada pela indústria europeia.

Com 22,1 milhões de toneladas em capacidade instalada, as usinas do velho continente vêm passando por maus bocados e deverão amargar uma taxa de ocupação abaixo dos 40% no ano de 2011. A situação é considerada particularmente grave na Espanha, onde a principal associação representativa do setor, APPA Biocarburantes, sinaliza que diversas usinas estão sendo forçadas a fechar suas portas por falta de demanda.

O documento culpa distorções no comércio internacional de biocombustíveis pelos apuros enfrentados pelas usinas da Europa. Primeiro a briga foi com os Estados Unidos, que estavam usando os subsídios oferecidos pelo governo norte-americano para estimular a indústria de biodiesel à colocar seu produto no mercado europeu por preços mais competitivo. A União Europeia considerou a prática como dumping e passou a taxar as exportações norte-americanas. Agora, as acusações são contra a Argentina e a Indonésia que estariam sobretaxando as exportações de matérias-primas de forma a estimular a agregação de valor sobre as oleaginosas que produzem, soja e dendê, respectivamente.

Segundo os dados do Observ’ER, as exportações desses dois países para a Europa somaram 2,6 milhões de toneladas no ano passada contra 1,9 milhão de toneladas no ano anterior. 

Pelo menos no que diz respeito à Argentina, muita coisa pode mudar entre o curto e médio prazos. A Espanha aprovou em maio passado uma lei que dá preferência ao biodiesel fabricado nos países do mercado comum dentro do mercado espanhol, como forma de retaliação à nacionalização da YPF pela Argentina. Além disso, a Comissão Europeia anunciou que pensa em excluir o país sul-americano da lista de beneficiados pelo sistema geral de preferências que fixa a cobrança de impostos alfandegários em 6,5%.

Biocombustíveis 
De forma geral, o relatório do Observ’ER mostrou que mercado europeu de biocombustíveis perdeu ímpeto no ano passado. Somados todos os seus segmentos, o crescimento foi de apenas pífios 3% em 2011, com uma demanda de 13,6 milhões de toneladas de óleo equivalente.

Segundo os técnicos do observatório, os governos europeus estão desacelerando o estimulo ao consumo de biocombustíveis para colocar mais ênfase na definição de esquemas que atestem que esses produtos atendem aos padrões de sustentabilidade estabelecidos pela Diretiva de Energias Renováveis formulada em 2009.

Fábio Rodrigues 
Tags: Europa