Argentina

Argentina confirma alta de imposto de exportação para soja, mas diferencia pequenos produtores


Valor Econômico - 04 mar 2020 - 10:23

Nesta terça-feira (03), os produtores rurais da Argentina ouviram do governo de Alberto Fernández a confirmação de aumento do imposto de exportação (retenção) da soja e derivados de 30% para 33%. Porém, haverá uma escala de taxas para os pequenos produtores.

A notícia foi confirmada durante reunião do ministro de Agricultura, Luis Basterra, com os representantes das principais entidades do setor agropecuário. Para não prejudicar os pequenos produtores, haverá um esquema de devolução das retenções classificadas por uma escala de produção baseada na safra de 2018/2019.

Pagarão 21% os que produziram até 100 toneladas; 24% entre 101 a 200 toneladas; 27% entre 201 a 300 toneladas; 28% entre 301 a 400 toneladas; 29% entre 401 a 500 toneladas; e 30% até 1000 toneladas.

Com o novo programa, o Ministério de Agricultura estima que 74% dos produtores pagarão retenções de entre 21% e 30%, conforme a escala.

O governo propôs também a redução das retenções para a maioria dos produtos agroindustriais, em especial as de origem de economias menores do interior do país.

O governo vai reduzir as alíquotas de 12% a 7% para o amendoim e girassol; de 9% a 7% para a farinha e óleo de trigo; de 12% a 5% para óleo de girassol; e de 9% a 5% para o arroz, queijos e leite. As alíquotas de 12% para o milho e o trigo, e de 9% para a carne bovina e de frango, serão mantidas.

Marina Guimarães – Valor Econômico