Paulo Anselmo Ziani Suarez

O óleo de mamona como matéria-prima para o Biodiesel


Paulo Suarez - 13 nov 2006 - 00:23 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:22

Escolhi como tema para escrever este artigo um assunto que, provavelmente, venha a causar alguma polêmica. Chama a atenção na mídia brasileira, o fomento e incentivo que vem sendo dado para a produção de biodiesel a partir do óleo de mamona, que resultou no cultivo dessa oleaginosa em quase todo o território nacional. Acredito que muitos leitores já me ouviram defendendo certos argumentos contrários ao uso dessa matéria-prima para produção de biodiesel nos inúmeros eventos sobre o tema que tem acontecido nos quatro cantos do Brasil. No entanto, gostaria evidenciá-los mais uma vez neste portal, pois acredito que uma das minhas responsabilidades como pesquisador e professor universitário seja incentivar o debate do programa de biodiesel com base científica.

O óleo de mamona é bastante peculiar e diferente das demais oleaginosas cultivadas no Brasil, tendo na sua composição química aproximadamente 90 % do ácido graxo ricinoléico (12-hidroxi-cis-9-octadecenóico). O grupo hidroxila desse ácido graxo, que permite que este óleo seja uma excelente matéria-prima para diversos produtos químicos de alto valor agregado, conduz a propriedades químicas, tanto do óleo como do biodiesel de mamona, muito diferentes das apresentadas por outras oleaginosas usuais, como pode ser visto na Tabela abaixo. A partir dos valores apresentados nessa Tabela, os quais foram coletados de estudos publicados por outros pesquisadores ainda na década de 1980, percebe-se que os combustíveis dos óleos de soja e dendê apresentam valores aceitáveis para as propriedades estudadas, enquanto que o derivado de mamona não. Obviamente, o uso do biodiesel apenas como aditivo, com até 2 % em misturas de diesel como pretendido inicialmente pelo PNPB, não trará limitações para o seu uso. Mas limitações certamente irão ocorrer se teores maiores, como 5 %, forem adicionados ao diesel futuramente.

Por outro lado, quem já tentou fazer biodiesel com diversas oleaginosas sabe que o uso do óleo de mamona dificulta todas as etapas processo, tanto na velocidade da transesterificação, quanto na separação e purificação dos produtos dessa reação (recentemente a Profa. Simoni Meneghetti da UFAL publicou um interessante artigo no periódico científico americano Energy Fuels onde relata um estudo comparativo da transesterificação de diversos óleos vegetais). Certamente esses fatos, associados a um preço bem mais elevado desse óleo em relação aos demais, tornarão esse biodiesel bem menos competitivo economicamente.

Acredito que o incentivo à mamona seja conseqüência de uma tentativa governamental de resolver problemas sociais crônicos brasileiros, principalmente nas regiões do semi-árido. No entanto, penso que colocar as dimensões social e política a frente do conhecimento científico disponível na nossa comunidade poderá levar a prejuízos ao PNPB. 

Tabela. Valores obtidos para a viscosidade e densidade de biodiesel obtido por metanólise (OMe) e etanólise (OEt) dos óleos de mamona, soja e dendê.

(OMe) e etanólise (OEt) dos óleos de mamona, soja e dendê.

 

Viscosidade a 37,8 ºC (cSt)

Densidade

20 ºC (g.cm-3)

OMe

OEt

OMe

OEt

Mamonaa

17,02

19,75

0,9144

0,9095

Sojab

4,08

4,41

0,884

0,881

Dendêa

6,25

6,39

0,8603

0,8597

Óleo Diesel Interiorc

2,5 a 5,5

0,820 a 0,880

Óleo Diesel Metropolitanoc

2,5 a 5,5

820 a 865

(a) Produção de combustíveis líquidos a partir de óleos vegetais: Relatório final do Convênio STI- MIC / CETEC. Vol. 1 e 2. CETEC: Belo Horizonte-MG (1983); (b) Clark, S. J.; Wagner, L; Schrock, M. D.; Piennaar, P. J.; J. Am. Oil Chem. Soc. 1984, 61, 1632 (observação: viscosidade a 40 ºC e densidade a 15,6 ºC); (c) Portaria ANP Nº 310, de 27 de dezembro de 2001.

Paulo Anselmo Ziani Suarez é engenheiro químico, colunista BiodieselBR.com, com pós-doutorado pelo National Center for Agricultural Utilization Research dos Estados Unidos. Saiba mais sobre o autor.

Tags: Suarez