Miguel Angelo

Agrenco e BSBios: O valor da compra


Miguel Angelo Vedana - 14 abr 2009 - 15:49 - Última atualização em: 07 mar 2012 - 18:47

Há quase um mês o portal BiodieselBR.com antecipou o que esteve na capa do jornal Valor Econômico de hoje: a usina de Marialva (PR) está sendo comprada pela BSBios. No entanto foi o valor da transação que despertou interesse de todo o setor de biodiesel, pois atualmente o mercado mostra sinais de que novas aquisições estão a caminho. E esta situação é reforçada com a dificuldade financeira de algumas usinas e a saúde econômica de muitas empresas que se consolidaram desde o início do programa.

A Agrenco, que passa por sérias dificuldades, contratou a empresa Setape para fazer o levantamento de todo o seu patrimônio e avaliou a unidade de Marialva em 23,28 milhões de reais. Esse valor é muito abaixo do que a usina realmente vale e, obviamente, muito menos do que a BSBios está pagando. O número exato da negociação é mantido em sigilo, mas o valor contábil gira em torno de 50 milhões de reais.

Esse volume de 50 milhões pode parecer muito para quem tiver como base apenas a avaliação feita pela Setape, mas a verdade é que a usina foi subvalorizada. Segundo informações de mercado, uma usina de 100 milhões de litros de biodiesel por ano com tecnologia da DeSmet Balestra, custaria cerca de 45 milhões de reais. Outro grande fabricante de usinas de biodiesel confidenciou que uma nova usina com capacidade igual à de Marialva (PR) custaria em torno de 50 milhões de reais. Nestes dois valores não estão inclusos outras benfeitorias, como tanques ou escritórios, ou mesmo o terreno da usina. Aliás, somente o terreno da usina de Marialva foi avaliado em pouco mais de três milhões de reais.

Fazendo uma comparação com outras usinas construídas, observa-se que a avaliação é bem aquém do valor real: a Barralcool investiu em 2006, R$ 27 milhões de reais em uma usina com capacidade de 57 milhões de litros. A Caramuru recebeu financiamento de 42,8 milhões para sua usina que tinha inicialmente capacidade para 90 milhões de litros por ano, sendo que este é apenas uma parte do valor final da usina. A Granol, também em 2006, investiu 40 milhões somente em sua usina de Anápolis (GO).

É evidente que uma usina de 120 milhões de litros, 80% completa não pode valer apenas 23 milhões de reais. Usinas do mesmo porte foram construídas com mais que o dobro desse volume financeiro. E por isso ninguém que estiver bem informado vai achar muito quando for anunciada a venda da usina da Agrenco Marialva por algo entre 45 e 50 milhões de reais.

Miguel Angelo Vedana
Diretor-executivo da BiodieselBR

Tags: Agrenco