Miguel Angelo

Em 2011 o preço do diesel não deve subir em função do biodiesel


Miguel Angelo Vedana - 17 dez 2010 - 14:35 - Última atualização em: 07 mar 2012 - 18:44

Uma nota divulgada hoje pela assessoria de imprensa da Fecombustíveis, informou que os preços do diesel subirão 2% a partir de janeiro de 2011. O motivo desse aumento seria a mistura de 5% de biodiesel no diesel. Segundo a nota, o biodiesel custa mais caro que o diesel e essa diferença será repassada para o consumidor.

Se esta nota tivesse sido publicada há um ano talvez fizesse mais sentido, mas hoje não é possível entender a lógica por trás desse possível aumento, conforme coloca a Fecombustíveis. 

A mistura de 5% de biodiesel no diesel já está em vigor desde o começo de 2010 e o preço do biodiesel no início deste ano foi de R$ 2,33, contra R$ 2,30 do primeiro trimestre de 2011. Esse preço menor do biodiesel no próximo trimestre já bastaria para acabar com o argumento do aumento de preço do diesel, já que os postos estarão pagando um pouco mais barato do que pagavam no começo de 2010 para a mesma mistura. Contudo existem outros argumentos.

A mistura de biodiesel foi incrementada ao poucos, não foi do zero diretamente para 5%. Em janeiro de 2008 era 2%, em julho de 2008 foi para 3%, em julho de 2009 para 4% e em janeiro de 2010 para  5%. Cada incremento desses foi seguido de uma notícia, ou ao menos uma nota, dizendo o quanto ela iria impactar no preço do diesel ao consumidor. O aumento de 2% no preço do diesel alardeado hoje é o custo de toda a mistura de 5% de biodiesel. Por esse motivo, mesmo que a notícia vinculada hoje pela Fecombustíveis tivesse sido publicada um ano atrás ela seria exagerada, já que o aumento foi gradual. Além disso, o preço do biodiesel caiu mais de 50 centavos no último trimestre de 2010 e o diesel não sofreu nenhuma redução nos postos.

A motivação dos postos para a nota é incerta. Mas não deve se descartar a possibilidade de justificar um possível aumento do preço do diesel na bomba, seja para cubrir custos com limpeza dos tanques ou incrementar os lucros em 2011. Mas independentemente do motivo, essa atitude atrapalha a realização de uma discussão séria sobre o biodiesel. É importante apresentar argumentos coesos e verdadeiros. E isso vale para todos os lados, inclusive as usinas de biodiesel.

Miguel Angelo Vedana é diretor-executivo da BiodieselBR e faz parte do conselho editorial da revista BiodieselBR.