Biodiesel

Fábrica de biodiesel é inaugurada em Minas Gerais


Megaminas - 28 mai 2006 - 21:23 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:22

A primeira fábrica de biodiesel de Araxá foi inaugurada na tarde desta quinta-feira. E o pinhão manso é a principal matéria-prima usada na  fabricação do produto no Alto Paranaíba. A fábrica da cidade ainda é pequena, mas os proprietários estão otimistas e já pensam em ampliar para atender a demanda do mercado. Oito tanques fazem todo o processo de transformação do óleo extraído de vegetais.

Para colocar em funcionamento a fábrica piloto foram necessários apenas dois operadores. No momento estão sendo produzidos 6 mil litros de biodisel por dia. Com o aumento da produção para 30 mil serão necessários seis funcionários e a maior geração de empregos será no campo.

A reação química deixa o produto com propriedades semelhantes ao óleo diesel, podendo abastecer todos os motores. Para evitar desperdício e garantir a qualidade são feitos testes no laboratório. Por enquanto a produção é suficiente para abastecer apenas 5% da demanda do município de Araxá.

O biodiesel produzido na pela usina é feito com soja, mas a empresa pretende investir em outra variedade. É o pinhão manso, uma planta que era muito conhecida na década de 60, mas que quase foi extinta por ser considerada sem utilidade. Segundo o empresário curitibano Univaldo Vedana, que pesquisa a planta desde 2003, antigamente a semente de pinhão era usada em apenas algumas situações, como afastar mal olhado, óleo para lamparina e para curar feridas de animais. Com o avanço da tecnologia descobriu-se que a semente oferece muito mais benefícios, mas como o pinhão quase foi extinto no país, ele conta que a fase mais difícil foi encontrar sementes na natureza.

Hoje, Minas é considerado um dos principais estados produtores de pinhão manso no Brasil. São aproximadamente 100 hectares de área plantada, tudo ainda em fase de estudos, mas as pesquisas já revelaram dados animadores. De acordo com o levantamento, um hectare de pinhão manso produz 1.700 litros de óleo que podem se transformar em biodiesel. É mais do que o dobro do que produz a soja, que chega a 500 litros. Outro dado importante é o índice de aproveitamento, pois enquanto a soja tem um rendimento médio de produção de biodiesel de 80%, o pinhão chega a 94%.

E foram estes números que chamaram a atenção do produtor Nelson Clementino de Moraes, do Alto Paranaíba. Atualmente Nelson Moraes cuida do viveiro de 60 mil mudas de pinhão manso e reservou 30 hectares da fazenda para o plantio da espécie. A vantagem, segundo ele, é poder agregar mais uma renda à família.