PUBLICIDADE
cremer
Biodiesel

Brasil oferece ao mundo o primeiro Mestrado em Gestão de Agroenergia


Protefer - 07 out 2008 - 05:23 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:07

O primeiro curso especializado em Agro-energia do mundo é o resultado de uma parceria entre a Fundação Getúlio Vargas (FGV), a Sociedade Brasileira de Pesquisa Agrícola (Embrapa).

A idéia de criar o mestrado foi criada no Centro de Agronegócio da FGV, coordenado pelo ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues. Em março de 2007, a proposta foi enviada ao Ministério da Educação (MEC) e a aprovação foi recebida em setembro. O curso terá início em janeiro de 2008 e a matrícula está em curso.

De acordo com Roberto Rodrigues, a importância da iniciativa pode ser avaliada pela realidade do setor Agroenergia no Brasil e no mundo. Existem atualmente cerca de 350 fábricas de açúcar e álcool no país e outros 60 estão sendo criadas novas unidades. Na área de biodiesel, também há grandes empresas a se preparar para a execução.
 
"Esses números devem aumentar dramaticamente se alguns pontos estão definidos, especialmente no que diz respeito à certificação internacional etanol da cana", ele salientou. "Em nossas visitas às empresas do sector, os gestores se queixam da falta de profissionais preparados para gerir organizações", explicou Rodrigues.

Brasil vem destacando-se no setor das energias renováveis e está na vanguarda dos debates internacionais sobre biocombustíveis, mas outros países também estão cientes da capacidade dos combustíveis verdes. "No plano internacional, há agora uma grande demanda apresentada à FGV para a criação de cursos similares que possam ajudar os profissionais de outros países, especialmente na América Central", disse ele.

No futuro, Rodrigues acredita que haverá dois tipos de necessidades. A primeira será a formação de profissionais que poderão satisfazer a procura originada pelas novas empresas que produzem etanol na América Central e em outras regiões, o que provavelmente irá gerar a criação de pequenos cursos, reduzindo a incidência de temas mais específicos do que o grau de mestrado. A segunda será a criação de futuros professores de outros países.

"No caso mais tarde, seria necessário o desenvolvimento de um mestrado adaptado à realidade dos participantes estrangeiros”. Se for um curso no Brasil, não se pode Profissionalizar” concebido para aqueles que pretendam continuar a trabalhar enquanto estuda, em pelo contrário, deve ser a tempo inteiro “, ele avaliou.

De acordo com Roberto Rodrigues, FGV é destaque nas áreas de economia, direito e administração e seus parceiros (Embrapa e Esalq) foram escolhidas por serem duas das mais importantes instituições de pesquisa no país na área da agricultura tropical, agroindústria e tecnologia .

Segundo a diretora na Esalq, Antonio Roque Dechen, o desenvolvimento de tecnologias que tornam possível para o Brasil a fazer uso de recursos naturais abundantes para aumentar a produtividade no campo, no campo da bioenergia é permanente, devido ao período o país está vivendo, a era dos combustíveis verdes.

A escola tem sido sintonizadas com as etapas do desenvolvimento do sector. “Atualmente, a instituição já integra o tour do etanol, que inclui organizações que produzem tecnologia agrícola, equipamento e investigação científica”, salientou Dechen.

Na prática, a parceria vai funcionar da seguinte maneira: FGV, vai ser responsável pelas disciplinas na área de "Gestão Econômica e Financeira da Agroenergia", Esalq vai ser o responsável pela área de "Tecnologia da Produção Agrícola e Mercado" , Enquanto que a Embrapa vai ser o encarregado da área de "Princípios, Ferramentas e Agroenergia Processos".
As aulas terão lugar nos três organizações. De acordo com Rodrigues, o curso conta com alto nível pessoal, todos com título de doutor e doutorados das três instituições. 

O curso é gerido por profissionais da área, com agronômicas engenheiros, administradores e economistas que estão buscando maior conhecimento tecnológico e profissional. "Ela é guiada às pessoas que procuram um maior conhecimento teórico, mas que não vão parar de trabalhar", afirmou Rodrigues.

O mestrado profissional é a espécie, e isso exige uma alta carga de investigação para acompanhar a elaboração da dissertação individual, mas aplicado à realidade estudada. Após as disciplinas obrigatórias, o aluno deverá escolher disciplinas eletivas e, ao final, apresentar sua dissertação.

O processo de seleção tem três fases: análise do currículo, análise do projeto da dissertação e entrevista. Todos os candidatos deverão ter concluído sua graduação curso. Inscrição para participação na turma que já começaram em de 2008 termina em 30 de novembro, e a matrícula poderá ser feito na Internet.