Biodiesel

Biocombustíveis puxam implementos


Tribuna do Norte - 11 ago 2008 - 05:56 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:07

Os fabricantes de implementos para transporte de biocombustível  trabalham no limite da capacidade para atender ao expressivo crescimento da  produção de etanol e biodiesel no Brasil. O movimento deve contribuir para que  os fabricantes de implementos rodoviários registrem recorde histórico de vendas  de semi-reboque do tipo tanque (para transporte de combustível) em 2008.  A Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários (Anfir) estima  que este segmento encerrará o ano com vendas de 4 mil unidades do tipo, o que  representa uma expansão de cerca de 35% sobre o registrado no ano passado. O  bom desempenho dos implementos para biocombustíveis fez a Anfir também rever  para cima as projeções para todo o setor em 2008.

A previsão inicial, de encerrar  o ano com alta de 20%, foi ajustada para aumento de 25%. Em 2007, a associação  trabalhava com a expectativa de expansão entre 8% e 10% nos negócios neste ano.  O segmento de tanques é apenas uma mostra do aquecimento do setor de implementos  rodoviários. Puxado pela expansão da demanda pelos segmentos de agronegócio,  construção civil e mineração, o setor caminha para um desempenho recorde pelo  segundo ano consecutivo. No primeiro semestre de 2008 a área cresceu 49,94%  registrando a comercialização de 27.398 unidades.  O aumento rápido dos pedidos levou muitas empresas a trabalhar no limite da  capacidade, com 90% de utilização e elevou o prazo das entregas para até 180  dias. De acordo com o diretor-executivo da Anfir, Mário Rinaldi, esse movimento  teve início em 2007, mas foi intensificado neste ano. Ele ressalta ainda que  as empresas estão investindo pesado para elevar a produção e que a situação  já começa a se normalizar.  “Hoje as empresas já trabalham com cerca de 70%  da sua capacidade e reduziram o prazo de entrega para 90 dias”, afirma.  O executivo não sabe quantificar, no entanto, qual o volume total de investimentos  realizados pelo setor. O executivo ressalta que o aumento da capacidade fez  a indústria viver também outro problema: a falta de mão-de-obra qualificada.

 Os setores com maior deficiência são as áreas de engenharia e soldagem.  Entre janeiro e junho os fabricantes de implementos rodoviários venderam 2.297  tanques com alta de 40% sobre igual intervalo de 2007. O segmento já responde  por 9% das vendas totais do setor e deve crescer para 10% até o final do ano.

 Na Randon Implementos, uma das principais fabricantes do setor no País, o segmento  de tanques já ocupa a terceira posição em vendas, atrás apenas dos setores graneleiro  e canavieiro. A projeção da empresa é colocar fabricar e colocar no mercado  1.500 tanques neste ano, ou seja, 250 unidades a mais que no ano passado.  Para o diretor-executivo da Randon S.A., Norberto Fabris, o aumento da demanda  por tanques é conseqüência do aumento da produção de álcool no País e que este,  por sua vez, reflete a expansão das vendas de carros flexfuel (bicombustível).