Negócio

Petrobras: diretoria propõe investimento de mais de US$ 100 bi para período de 2024 a 2028


Estadão Conteúdo - 10 nov 2023 - 09:07

A proposta preliminar da diretoria da Petrobras para o Plano Estratégico 2024/2028 supera a casa dos US$ 100 bilhões, um aumento em relação ao último plano, que foi de US$ 78 bilhões.

Segundo apurou o Estadão/Broadcast, a cifra, que ainda depende de aprovação do conselho de administração da estatal, incluiria um investimento no exterior e também um valor previsto para eventual elevação da fatia acionária na Braskem.

A previsão inicial é que a proposta seja votada pelo conselho em reunião em 23 de novembro e ainda pode sofrer cortes. Um dos principais alvos de interesse do mercado será o volume de investimentos em negócios destinados ao segmento de energias renováveis. O conselho já aprovou uma diretriz definindo o volume em um intervalo de 7% e 15% do capex.

Para Exploração e Produção, negócio principal da estatal, o volume a ser investido ficaria na casa dos US$ 80 bilhões até 2028. O restante, pouco mais de US$ 20 bilhões, englobaria não só o desenvolvimento e compra de negócios de renováveis, mas também um montante dedicado à eventual operação relativa ao exercício do direito de preferência para compra de participação na petroquímica Braskem, em discussão na companhia.

Todas as fontes reiteram que o plano ainda está em discussão. Segundo apurou o Estadão/Broadcast, conselheiros minoritários e indicados pelo Ministério de Minas e Energia (MME) têm pedido esclarecimentos, sobretudo com relação ao planejamento para renováveis.

O Estadão/Broadcast apurou que a diretoria da Petrobras teria incluído na proposta a compra de ativos renováveis em produção no exterior. Uma delas seria um complexo de geração de energia eólica offshore na Escócia, que a Petrobras planejaria adquirir em parceria com a Casa dos Ventos, que tem participação da TotalEnergies, para efeito de aprendizagem. A ideia não teria sido totalmente acolhida pelo governo, que manifestou a preferência pelo desenvolvimento de projetos próprios em território brasileiro.

Monica Ciarelli, Gabriel Vasconcelos e Denise Luna – Estadão Conteúdo